Ações em museus marcam Mês da Consciência Negra

De lucianpichetti | 6 de novembro de 2020 | 14:59
Foto: Divulgação

Tem início nesta sexta-feira (6) uma série de ações e atividades nos museus administrados pelo Governo do Estado, em celebração ao Mês da Consciência Negra. De acordo com a Secretaria da Comunicação Social e da Cultura, as atividades ao longo do mês contribuem para o fortalecimento do papel protagonista das negras e negros na sociedade paranaense, em especial na área da cultura.

O Dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro. Foi nesta data, em 1695, que morreu Zumbi dos Palmares, um dos maiores líderes negros da história do Brasil e símbolo da luta contra o sistema escravagista do país.

De acordo com dados de 2018, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 34% da população paranaense é negra ou parda.

Museus

Participam da celebração o Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS-PR), Museu Paranaense (Mupa) e Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC-PR). Cada espaço terá uma programação própria, pensada especialmente para a data, e que poderá ser acompanhada virtualmente nas redes sociais dos espaços.

Serão lives com pesquisadores e pesquisadoras sobre questões históricas da cultura afro-brasileira, ocupações virtuais por artistas negros convidados para apresentar seus trabalhos, oficinas com profissionais negros da Cultura e mesas redondas com artistas. Todas as atividades são gratuitas.

Confira a programação:

MIS-PR 

O Museu da Imagem e do Som do Paraná promove no dia 06 de novembro, às 11 horas, um bate-papo ao vivo sobre revelação de filmes fotográficos com Tárcilo Pereira. A live será gratuita, sem necessidade de inscrição prévia, transmitida no perfil do Instagram do MIS-PR (@mis_pr).

MUPA 

A programação é composta por atividades que trarão à tona o acervo relacionado à contribuição negra na formação do Estado, assim como outras ações para discutir temas relacionados à cultura afro-brasileira. Por meio de postagens e lives, serão abordados assuntos como a atuação de intelectuais negros no Paraná, como é o caso do advogado, escritor, professor e político brasileiro Sebastião Paraná; questões ligadas à escravidão e liberdade; e a repressão ao samba na capital paranaense.

Ao longo do mês ocorrerão duas lives. A primeira será com a pesquisadora Fernanda Lucas Santiago, no dia 10, às 18 horas. Ela é mestra em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) e pesquisadora associada do Aya Laboratório de Estudos Pós-Coloniais e Decoloniais da instituição. Apresentou em dezembro de 2019 a dissertação de mestrado intitulada “Mulheres negras: trajetórias de (re) existência em rede (Curitiba 1922-1963)”. É membro consultora da Comissão Estadual sobre a Verdade da Escravidão Negra da OAB-PR.

A segunda live acontecerá em 24 de novembro, às 18 horas, com a professora e pesquisadora Lucilene Reginaldo. Ela possui graduação em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1991), mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1995) e doutorado em História pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Atualmente é professora da Área de Estudos Africanos – História da África da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Desenvolve pesquisas sobre os seguintes temas: irmandades negras no Império português, igreja e missões católicas em Angola e Congo.

MAC-PR 

Seguindo as atividades de revisão histórica do MAC-PR e reforçando as ações afirmativas, o Museu de Arte Contemporânea do Paraná convida artistas negros e negras para ocuparem o Instagram do museu. São seis artistas convidados para apresentar seus trabalhos, durante um dia cada, com posts no feed, stories e um vídeo de apresentação do seus trabalhos. Entre os artistas convidados estão Rimon Guimarães, Diodo Duda, Washington Silveira, Cláudia Lara, Nelson Sebastião e Ué Prazeres.

Também serão realizadas duas mesas redondas transmitidas ao vivo no Youtube do MAC-PR com artistas convidados durante os dias de programação. As mesas acontecerão em duas datas diferentes, sempre no mesmo horário, às 17 horas. A primeira, no dia 19, convida Rimon Guimarães, Diogo Duda e Washington Silveira. A segunda, no dia 26, terá a participação de Cláudia Lara, Nelson Sebastião e Ué Prazeres.

A proposta desse programa é mostrar o trabalho de artistas negros do Paraná e não negar a ausência deles no acervo, buscando estratégias para ampliar este número.

Da redação com assessoria

Deixe um comentário