Acordo por Brumadinho reduz incertezas no balanço patrimonial da Vale, diz S&P

De Redação Estadão | 4 de fevereiro de 2021 | 17:48

A agência de classificação de risco S&P Global Ratings acredita que a forte geração de caixa e o balanço patrimonial da Vale poderão cobrir os custos sociais e econômicos totais decorrentes do acordo de R$ 37,7 bilhões (cerca de US$7 bilhões) que a empresa fechou nesta quinta-feira, 4, por conta do rompimento da barragem de Brumadinho em 2019. A classificação da companhia (BBB-/Estável/ e brAAA/Estável/) foi mantida.

A S&P acrescentará aproximadamente R$ 15 bilhões (US$ 2,8 bilhões) à dívida ajustada da Vale em seu modelo.

Com os preços do minério de ferro acima de US$ 150 por tonelada, entretanto, a agência de rating acredita que “a dívida sobre Ebitda da Vale permanecerá confortavelmente abaixo de 1,5 vez, com uma forte posição de caixa e perfil de amortização de dívidas suave”. Sua estimativa é que a Vale provavelmente desembolsará R$ 15 bilhões nos próximos cinco anos.

“Em nossa visão, o acordo ameniza as incertezas sobre a estrutura de capital da Vale e o total de multas e passivos decorrentes do acidente”, diz a S&P em comunicado.

A agência de rating, entretanto, frisa que a Vale ainda está sujeita a incertezas.

Uma delas sobre a retomada das operações suspensas e a recuperação dos volumes de minério de ferro.

A outra, a exposição a discussões de ação coletiva, “cujos custos não são claros, mas não devem ser significativos o suficiente para fazer com que as métricas de alavancagem se desviem de nossas expectativas de caso-base”.

Mariana Durão
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.