Anitta rebate motorista que 'justificou' assédio por 'short do tipo Anitta'

De Redação Estadão | 18 de fevereiro de 2020 | 21:52

A cantora Anitta rebateu um motorista do aplicativo Uber que prestou depoimento após ser acusado de assédio por uma menor de idade na cidade de Viamão, região metropolitana de Porto Alegre, no último domingo, 16. Em entrevista, o homem tentou ‘justificar’ seu ato afirmando que a jovem usava um “shorts do tipo Anitta”.

“Ela estava com um shorts do tipo Anitta, com uma mini blusa, com as pernas abertas no banco e chamando atenção”, afirmou.

Anitta, usou seu Twitter nesta terça-feira, 18, para se posicionar a respeito do caso envolvendo o assédio no Uber: “Nada justifica um assédio. A forma de se vestir, sentar, e falar não significa qualquer autorização ou pedido ou convite a ser assediada ou invadida, abusada, estuprada”.

Na sequência, concluiu: “Quanto à menina estar usando um short ‘tipo Anitta’, para mim significa que ela é independente, não tem medo de ser quem ela quer e, acima de tudo, bem inteligente para denunciar e expor um assediador para que outras meninas não passem pelo mesmo que ela”.

Entenda o caso de assédio envolvendo motorista de Uber

Uma adolescente de 17 anos gravou e divulgou um vídeo nas redes sociais de um assédio que ela sofreu de um motorista do aplicativo Uber durante corrida realizada na tarde de domingo, 16.

A jovem se deslocava para a casa de uma amiga quando foi abordada pelo condutor. Ao perceber que estava sendo assediada, começou a gravar o diálogo com a câmera virada para o próprio rosto.

Ele diz que poderia namorar com ela, ao que ela responde que é menor de idade. O condutor insistiu, dizendo que não seria um problema. “Problema seria se tu tivesse 13 anos. E eu acho que tu não tem 13 anos… De, 14 para cima tu já é responsável”, retrucou.

Depois ele diz que namoraria com ela se ela não tivesse namorado, ao que ela rebate: “Mas tu tem idade para ser meu pai”. E ele insiste: “Não sou teu pai nada…”. Ela continua: “Mas tem idade…”. E ele mais uma vez insiste: “Eu faria coisas que teu pai não faria. Pode ter certeza”.

A jovem, então, tenta por um fim na conversa: “Eu não tenho interesse, obrigada”. “Tô só brincando, eu não tô dizendo que você deveria ter interesse”, é a última fala do motorista que aparece no vídeo.

Ao fim da viagem, ela denunciou o perfil do motorista no aplicativo e registrou boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher de Viamão. A Uber informou que o colaborador teve a conta banida e que não atua mais na plataforma.

Ao registrar a ocorrência ao lado da filha na delegacia, sua mãe lamentou o episódio. “Eu fiquei indignada e enjoada. Nós usamos o Uber sempre, pois peço para ela não pegar ônibus com receio dos assaltos. Ela foi muito corajosa de ter publicado o vídeo nas redes sociais”, declarou ao Estado.

Redação
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário