Bolsas de NY fecham em sem direção única, com melhora na reta final

De Redação Estadão | 7 de agosto de 2020 | 17:56

As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único, ganhando força nos minutos finais, mesmo após o fracasso das negociações entre democratas e republicanos por uma nova rodada de estímulos fiscais nos Estados Unidos. O relatório de emprego americano melhor que o esperado pelo mercado, com criação de 1,763 milhão de postos de trabalho, ajudou a apoiar o quadro, mas houve também cautela, diante do avanço das tensões comerciais entre Washington e Pequim.

O índice Dow Jones encerrou em alta de 0,17%, a 27.433,48 pontos, com alta semanal de 0,02%. O S&P 500 subiu 0,06% hoje, a 3.351,28 pontos, com ganho de 2,45% na semana. O Nasdaq caiu 0,87%, a 11.010,98 pontos, com alta de 2,47% na comparação semanal.

As ações de tecnologia e serviços de comunicação figuraram entre os destaques negativos em geral, com Apple em queda de 2,27%, acompanhado por Amazon (-1,78%), Microsoft (-1,79%) e Alphabet (-0,44%). Na contramão da maioria, Facebook subiu 1,19%. Já o setor financeiro se saiu bem, liderando as altas, com JPMorgan em alta de 2,20%, Citigroup de 2,42% e Bank of America, de 2,51%.

Ontem à noite, o presidente americano, Donald Trump, assinou decreto executivo para determinar que empresas americanas interrompam transações com as chinesas Tencent e ByteDance – controladoras dos aplicativos WeChat e TikTok, respectivamente – em 45 dias. Na prática, a medida proíbe as operações das plataformas nos EUA a partir do fim desse período. Pela manhã, a Casa Branca anunciou uma série de sanções contra autoridades de Hong Kong e do Partido Comunista Chinês por conta da repressão a dissidentes políticos no território.

Além das tensões entre as duas maiores economias do planeta, pesaram também sobre os negócios as dificuldades de lideranças políticas em Washington de chegar a um acordo sobre um novo pacote de ajuda. Após reunião nesta tarde, líderes democratas disseram que o impasse prosseguia, pedindo que o governo do presidente Donald Trump esteja disposto a gastar mais, diante do choque da pandemia.

Em relatório, a LPL Financial destaca que a semana foi positiva para os mercados acionários, em meio a alguns dados “encorajadores” e balanços “bem recebidos”, que ajudaram algumas ações, com os setores de tecnologia, serviços de comunicação e industrial liderando os ganhos semanais. O Wells Fargo, por sua vez, afirma em outro relatório que, apesar do aumento dos casos da covid-19 em julho nos EUA, o setor de serviços mostrou uma “força inesperada”, evidenciada nos dados desta semana.

André Marinho e Gabriel Bueno da Costa
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário