Bolsas de NY fecham mistas com indicadores, pacote fiscal e realização de lucros

De Redação Estadão | 3 de fevereiro de 2021 | 18:28

Os índices acionários das bolsas de Nova York fecharam sem direção única nesta quarta-feira, 3. Uma série de dados macroeconômicos que apontaram para a recuperação da economia americana, após a crise do novo coronavírus, impulsionaram as bolsas, que perderam fôlego com uma realização de lucros após dois dias de ganhos. O mercado também segue atento às negociações pelo pacote de estímulos fiscais nos EUA, e repercute balanços divulgados na noite de ontem após o fechamento do pregão.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,12%, aos 30.723,60 pontos, o S&P 500 encerrou com ganhos de 0,10%, aos 3.830,17 pontos, e o Nasdaq recuou 0,02%, a 13.610,54 pontos.

Hoje, nos EUA, foram divulgados o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços para janeiro, que avançou a 58,3 no mês, acima das expectativas de analistas. O índice de atividade do setor de serviços para igual mês medido pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês) também superou as projeções, com alta a 58,7. O sentimento de otimismo ainda foi reforçado pela criação de 174 mil empregos pelo setor privado americano em janeiro, segundo a ADP.

Para o ING, os fortes resultados para o setor de serviços nos EUA reforçam a confiança na recuperação econômica no país. “Com dados de empregos e pressões inflacionárias também em alta e o programa de vacinas ganhando impulso, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) enfrentará cada vez mais questões sobre o momento de se mover para uma postura de política monetária mais neutra”, disse a instituição financeira, em relatório enviado a clientes. Segundo o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, os EUA devem registrar forte crescimento ao longo deste ano.

Investidores seguem de olho no andamentos das negociações pelo pacote de estímulos fiscais nos EUA. Em coletiva de imprensa, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou que o grupo de senadores democratas que se reuniram ontem com o presidente, Joe Biden, e a secretária do tesouro, Janet Yellen, concordaram sobre os cheques individuais de US$ 1,4 mil. Durante uma reunião com um grupo bipartidário de prefeitos, Yellen defendeu o pacote de US$ 1,9 trilhão proposto pelo governo americano, ao afirmar que os ganhos de “agir grande” superam os custos a longo prazo.

Os mercados ainda reagem à temporada de balanços corporativos. Entre as empresas que divulgaram resultados para o 4º trimestre de 2020, a Alphabet disparou 7,28%, enquanto a Amazon fechou em queda de 2,00%, após o CEO, Jeff Bezos, anunciar sua saída do cargo. Além destas duas companhias, o setor de tecnologia alternou ganhos e perdas nesta quarta-feira, com recuos de Apple (-0,28%) e Facebook (-0,13%), e alta da Microsoft (+1,46%).

Também se destacaram durante o pregão de hoje ações de empresas do setor petrolífero, após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) reforçar o comprometimento dos Estados-membros com o acordo de produção da commodity. Além disso, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos EUA registrou uma nova queda dos estoques do óleo na semana passada. Diante deste cenário, o papel da ExxonMobil subiu 3,92%, o da ConocoPhillips avançou 5,44%, o da Occidental Petroleum teve alta de 6,22% e o da Chevron, de 2,15%.

Sem grandes influências nas bolsas hoje, o movimento de investidores de varejo deu certa força a ações que são alvo de especulações, como a da GameStop e a da AMC, que fecharam em alta de 3,08% e 13,94%, respectivamente, após registrarem fortes recuos nos últimos dias.

Gabriel Caldeira
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.