Bolsas de NY fecham mistas em dia de ata do Fed e foco no mercado de Treasuries

De Redação Estadão | 17 de fevereiro de 2021 | 19:21

As bolsas de Nova York fecharam sem direção única nesta quarta-feira, 17, após caírem durante a maior parte do pregão, com os investidores focados no mercado de Treasuries. Os juros longos subiram recentemente ao nível mais alto desde fevereiro de 2020, por conta do aumento das expectativas de inflação nos Estados Unidos, o que poderia prejudicar algumas empresas. A divulgação da ata do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), porém, deu fôlego relativo às bolsas.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,29%, aos 31.613,02 pontos, renovando seu recorde de fechamento. A Verizon liderou os ganhos do índice, em alta de 5,24%, seguida pela Chevron, que subiu 3,00%, após a casa de investimentos Berkshire Hathaway aumentar a participação das ações das empresas em seu portfólio. Já o S&P 500 recuou 0,03%, a 3.931,33 pontos, enquanto o Nasdaq caiu 0,58%, a 13.965,49 pontos. Ambos os índices foram pressionados por ações de grandes companhias de tecnologia como Twitter (-2,93%), Apple (-1,76%) e Facebook (-0,15%).

Segundo a ata da última reunião de política monetária do Fed, os dirigentes da entidade apontaram para a manutenção da política monetária acomodatícia por mais tempo, até que as metas de inflação e emprego sejam atingidas. Os membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) não se mostraram muito preocupados com a possibilidade de alta da inflação nos EUA, de acordo com o documento. Esta percepção foi reiterada mais cedo pelo presidente da distrital de Boston do Fed, Eric Rosengren.

O ING caracterizou, em relatório enviado a clientes, a postura do Fed contida na ata como “ainda dovish”, sem apresentar grandes mudanças em relação a outras reuniões recentes. O banco nota ainda que o documento revela sinais de um Fed que assumirá certo risco na inflação, o que reduz a proteção para os juros de ponta longa e deve fazer com que os rendimentos subam ainda mais neste ano.

A ata também destacou o papel do programa de vacinação para a retomada da economia americana. Segundo a Capital Economics, a distribuição das vacinas em mercados desenvolvidos permitirá um relaxamento das restrições ligadas à pandemia até meados deste ano. A casa avalia que, desde que a política monetária siga acomodatícia e a imunização prossiga, será retomada uma tendência positiva nos setores mais vulneráveis ao coronavírus e nos mercados de ações que estão mais expostos.

Diante deste cenário, com o foco no Fed e nos rendimentos dos juros dos Treasuries, as bolsas não reagiram a uma série de indicadores fortes divulgados hoje. As vendas no varejo, a inflação ao produtor e a produção industrial, todas para o mês de janeiro, registraram alta acima das expectativas de analistas ante os resultados de dezembro.

Gabriel Caldeira
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.