Bolsonaro: vamos revelar os países que têm importado madeira ilegal da Amazônia

De Redação Estadão | 17 de novembro de 2020 | 11:21

Durante sua participação virtual na cúpula do Brics, o presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer nesta terça-feira, 17, que revelará “nos próximos dias” os países que compram madeira ilegal da Amazônia. Bolsonaro afirmou que o País sofre com “injustificáveis ataques” em relação à região amazônica e ressaltou que algumas nações que criticam o Brasil também importam madeira brasileira ilegalmente da Amazônia.

“A Polícia Federal desenvolveu agora a utilização de isótopo estável, tipo DNA, para permitir a localização da origem da madeira apreendida e exportada. Revelaremos nos próximos dias os nomes dos países que importam essa madeira ilegal nossa através da imensidão que é a região amazônia”, declarou,

“Porque daí sim estaremos mostrando que estes países, alguns deles que muitos nos criticam, em parte têm responsabilidade nessa questão”, emendou. Na semana passada, o presidente já havia falado sobre o assunto em conversa com apoiadores e durante transmissões ao vivo em redes sociais.

O aviso sobre apresentação de nomes de países envolvidos na importação de madeira da região amazônica chegou a ser feito mais de uma vez hoje por conta de uma falha técnica na transmissão. Pela primeira vez, a cúpula do Brics se reúne de forma virtual. Ao retomar sua fala, o presidente fez ainda comentário em tom irônico: “Com toda a certeza foi só uma coincidência. Quando falei da madeira da Amazônia o sinal cai… claro que foi só uma coincidência”, disse.

Antes de ser interrompido pela falha técnica na transmissão, Bolsonaro destacou ainda que o Brics está em “perfeita sintonia” e citou a busca por uma vacina contra a covid-19. “De tudo que foi tratado até aqui estamos em perfeita sintonia e comprometidos (…) na busca por uma vacina segura e eficaz contra o covid-19. O Brasil também trabalha para uma vacina própria.”

Emilly Behnke
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário