Brasil não tem mesma capacidade de endividamento de um país rico, diz Mansueto

De Redação Estadão | 19 de maio de 2020 | 17:02

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, ressaltou nesta terça-feira, 19, que o Brasil não tem a mesma capacidade de endividamento de um país rico. Nesse contexto, ele defendeu a continuidade da agenda de reformas no pós-crise e pregou cautela nas discussões sobre ampliação de gastos sociais.

Segundo o secretário, o Brasil já tem um Estado muito grande, e o investidor não tem no governo brasileiro a mesma confiança depositada num país como os Estados Unidos ou a Alemanha, que conseguem vender títulos de longo prazo com juros negativos. “Isso não existe no Brasil”, afirmou.

“Pra eu vender título de dez anos no Brasil tenho que pagar de 8% a 9% ao ano. É menos do que nos últimos anos, mas é muito alto”, afirmou Mansueto.

Ele acrescentou ainda que os agentes que demandam esse tipo de papel (estrangeiros e fundos de pensão) já estavam mais retraídos antes mesmo da crise e, por isso, o Brasil não tem conseguido colocar muito desses papéis no mercado.”Em títulos com prazo a partir de três anos, o prêmio cobrado já é muito alto”, explicou.

Reformas

O secretário do Tesouro Nacional alertou que, se o governo e o Congresso falharem na condução das reformas no momento após a crise do novo coronavírus, “o Brasil terá problemas”. Segundo ele, é preciso sinalizar compromisso com o controle dos gastos do governo para dar indicações claras de solvência do País e, assim, continuar atraindo a confiança dos investidores. Para isso, o secretário vê necessidade de “bom diálogo político”.

“A gente tem que se esforçar para melhorar esse País”, afirmou Mansueto em videoconferência promovida pela Câmara de Comércio França-Brasil. “Precisamos fomentar diálogo político e respeitar contraditório. Para fazer reformas, é preciso bom diálogo político”, acrescentou.

Ao comentar as dificuldades de aprovar uma reforma tributária – tema que será prioritário após a crise, em sua visão -, Mansueto disse que o Brasil precisa de um “esforço muito grande” para melhorar o debate político e aprofundar as discussões de forma pragmática para “não ter mais uma decepção”. “Não é questão técnica, é questão política”, afirmou. “Diagnóstico todo mundo faz, o que tem que fazer é mais ou menos claro. Agora a gente precisa ter ambiente político que permita às pessoas conversarem, dialogarem para se tentar construir algum consenso. Se a gente conseguir, esse País tem tudo para crescer. É um País que tem estrutura produtiva diversificada, tem uma rede de assistência social ampla, não tem nenhuma grande convulsão social quando a gente compara com outros países. Agora, se a gente falhar, o Brasil terá problemas.”

Mansueto disse que a trajetória da dívida brasileira ficará dependente do que o País conseguir fazer de reforma e de privatizações no pós-crise, e é justamente essa variável que preocupa o secretário e está no radar dos investidores. Neste ano, a dívida bruta deve chegar à casa dos 90% do PIB com os gastos de contenção aos efeitos da crise. A previsão de déficit primário em R$ 600 bilhões foi classificada de “otimista” pelo secretário, que já admite um rombo mais próximo de R$ 700 bilhões em 2020. O déficit nominal, que inclui a conta de juros, se aproximará dos 13% do PIB.

Mesmo assim, o mais importante é o depois, segundo o secretário. “O que me preocupa não é nível da dívida, mas a trajetória. Ninguém sabe qual é a perspectiva de crescimento do Brasil no pós-crise, mas também não está dado”, acrescentou, indicando que o País pode trabalhar para ter um arranque melhor após o momento de dificuldade.

“Se tivermos potencial de crescimento maior, o custo da crise será pago gradualmente”, disse Mansueto. “O mundo vai sair dessa crise em busca de boas oportunidades de investimento. Se o Brasil conseguir fazer reformas e sinalizar bom retorno, o investimento privado vem”, acrescentou.

Captação

O Tesouro Nacional poderá emitir títulos da dívida soberana no mercado externo caso necessário e se surgir a oportunidade, disse o secretário do Tesouro Nacional. Embora não tenha falado de nenhum leilão concreto, ele fez questão de ressaltar que o mercado externo está aberto ao Brasil. “Não temos nenhum problema de captação externa”, garantiu em videoconferência promovida pela Câmara de Comércio França-Brasil. “Se necessário e se surgir oportunidade, podemos fazer captação, seja em dólar, seja em euro.”

Mansueto disse que o Tesouro não costuma pré-anunciar essas operações, mas admitiu que a captação externa é uma possibilidade no radar do governo. “Temos fundamentos sólidos”, ressaltou o secretário, destacando ainda o colchão de reservas cambiais do Brasil. “Temos condições (para ir ao mercado externo), mas temos de esperar. Em algum momento podemos ir ao mercado externo”, afirmou.

Idiana Tomazelli
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário