Com NY, Bolsa fecha na máxima do dia, em alta de 1,59%, a 79.010,81 pontos

De Redação Estadão | 14 de maio de 2020 | 18:22

Com Nova York firme em terreno positivo na reta final da sessão, nesta quinta-feira, 14, o Ibovespa teve fôlego para um sprint que o colocou na máxima do dia no fechamento, em alta de 1,59%, aos 79.010,81 pontos, tendo tocado mínima a 75.696,95 pontos, na véspera da divulgação de importantes dados sobre a economia americana e do fechamento da semana.

Em Nova York, os três índices de referência apresentavam desempenho misto ao longo de boa parte da sessão, mas acabaram por se firmar em alta e acentuar os ganhos no fim da tarde, chegando a 1,62% para o blue chip Dow Jones no encerramento, após perdas que chegaram à casa de 2% no dia anterior – quando, aqui, o Ibovespa se mostrou resiliente, em baixa de apenas 0,13% no fechamento de ontem. Com a alta de hoje, o índice da B3 interrompe série de três perdas.

Nesta sexta-feira, 15, os EUA divulgam as vendas do varejo e a produção industrial de abril, a primeira série de dados que reflete integralmente o período de lockdown iniciado na economia americana para conter a pandemia. “Até aqui, o que se teve foi uma visão parcial dos efeitos da pandemia sobre a maior economia. Amanhã, poderemos observar de forma mais clara o que ocorreu neste período”, diz Shin-Lai, estrategista-chefe da Upside Investors Research. Com o fechamento de hoje, no qual o giro financeiro totalizou R$ 29,2 bilhões, o Ibovespa limita as perdas a 1,56% na semana, a 1,86% no mês e a 31,68% no ano.

As ações de commodities, como Petrobras (-2,43% na ON e -1,08% na PN) e Vale (-0,93%), que vinham em relativa recuperação amparada na retomada dos preços do petróleo e do minério de ferro proporcionada pela reabertura da economia chinesa, passaram por ajuste negativo nesta quinta-feira, contribuindo para segurar o Ibovespa, em dia no qual bancos (Bradesco PN +5,49%), utilities (Eletrobras ON +9,81%) e o setor siderúrgico (Usiminas +4,60%) tiveram desempenho bem favorável ao índice. A recuperação dos bancos foi impulsionada por sinais de que a proposta de elevação da CSLL pode sair da pauta do Senado.

Na ponta positiva do Ibovespa, CSN fechou hoje em alta de 11,57%, em dia no qual a queda acentuada na produção industrial de março, divulgada pelo IBGE, chegou a colocar parte do setor siderúrgico em terreno negativo na sessão. Após o fechamento de hoje, a CSN divulga o balanço trimestral, e os investidores estarão especialmente atentos às operações de mineração. “Os balanços do primeiro trimestre, que ainda não refletem integralmente os efeitos da pandemia, têm contribuído para dar algum fôlego ao Ibovespa”, diz Shin-Lai, da Upside.

Apesar da recuperação observada no Ibovespa no fim da sessão de hoje, ao mesmo tempo em que o presidente Jair Bolsonaro e o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) se reaproximaram, analistas apontam que, ante o elevado grau de incerteza que paira sobre a política, a saúde pública e a economia, especialmente no Brasil, os investidores optam por travar rapidamente lucros, em momento no qual o estrangeiro permanece afastado e o doméstico tem sustentado a demanda por ações na B3 – assim como em 2019, quando o Ibovespa subiu cerca de 31,6%.

Luís Eduardo Leal
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário