Credibilidade fiscal passa a ser mais importante que injetar dinheiro, diz BC

De Redação Estadão | 5 de novembro de 2020 | 17:58

Em discurso em defesa das reformas e dos compromissos fiscais, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, salientou nesta quinta-feira, 5, que a construção da credibilidade do País é mais eficiente em dar dinâmica à economia do que a saída pela expansão fiscal. Ao participar de congresso promovido pelo Instituto Líderes do Amanhã, ele comentou que, se fizer a “lição de casa” – ou seja, realizar as reformas -, o Brasil vai atrair recursos a obras de infraestrutura.

“A credibilidade é mais importante do que o ganho que se possa ter injetando dinheiro na economia”, comentou Campos Neto, após frisar que a indisciplina fiscal leva ao risco de desorganização de preços no mercado, num contexto em que o Brasil aumenta a sua dívida para enfrentar a pandemia. “Se não enfrentarmos o lado fiscal, isso volta a piorar”, assinalou, ao defender a importância de retomar o rumo de disciplina com os gastos públicos.

Segundo ele, a reação do mercado à aprovação no Congresso da autonomia do BC, com “clara diferenciação” dos ativos brasileiros, representa uma mensagem de que o dinheiro virá se o Brasil evoluir nas reformas.

Após lembrar que países que apresentaram respostas fiscais mais potentes tiveram menor impacto da pandemia na economia, o presidente do BC disse ainda que o regime de teto de gastos deu liberdade para o Brasil gastar mais desde a chegada do coronavírus.

Eduardo Laguna e Eduardo Rodrigues
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário