Crise hídrica: consumo de água aumenta durante estiagem

De marcellesouza | 11 de maio de 2020 | 15:52
Foto: Divulgação

Mesmo após Governo do Estado anunciar situação de emergência hídrica em todo Paraná, a Sanepar registra aumento no consumo residencial de água da região Oeste. Em Diamante do Oeste, o consumo residencial de água em abril foi 23% superior ao do mesmo período de 2019. Os moradores de Vera Cruz do Oeste e de Toledo também consumiram mais água em casa. Em Vera Cruz do Oeste, o aumento foi de 7% e, em Toledo, chegou a 14%.

O momento pede consumo reduzido e a paralisação de atividades não essenciais, como lavar veículos e calçadas, mas não é o que está havendo em meio à pior estiagem dos últimos 20 anos.

O gerente regional da Sanepar Eduardo Luiz Arrosi atribui esse aumento às altas temperaturas no final do verão e início do outono, além do isolamento social. “As pessoas estão ficando mais em casa e com hábitos de higiene mais acentuados, como lavar mais roupas. Além disso, passamos por uma seca prolongada e altas temperaturas”, afirma.

Estes fatores afetam o abastecimento público porque a estiagem severa tem reduzido a capacidade de captação e produção de água.

Em Vera Cruz do Oeste, no início de maio, a Sanepar foi obrigada a interromper a captação no Rio São Pedro, devido à queda na vazão, o que provocou diminuição de 30% na produção de água. Embora a produção tenha sido suficiente para atender à população, o sistema está no limite.

Em Diamante do Oeste, a redução na vazão do poço que abastece a cidade foi de 10% e, em contrapartida, o consumo de água aumentou 23%. “Isto desestabiliza o sistema e se o consumo não diminuir poderá faltar água”, diz Arrosi.

De acordo com o Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná) desde a primavera do ano passado, o regime de chuvas está 33% abaixo da média histórica, e a região Oeste foi uma das mais prejudicadas no período.

Em todo o Estado, a Sanepar tem feito campanha institucional para orientar e incentivar o consumo responsável de água, priorizando o uso da água para higiene pessoal e alimentação. Apesar da frente fria desta semana, segundo o Simepar, o cenário para os próximos meses não favorece a recuperação da umidade perdida durante a estiagem.

DICAS DE CONSUMO – Neste período atividades como lavar carros e calçadas devem ser evitadas. Outras dicas são:
– Reduza a lavagem diária de roupa. Acumule e use a capacidade máxima da máquina de lavar.
– A água do último enxágue do tanque ou da máquina pode servir para regar jardim e grama, ensaboar tapetes, tênis e outras peças.
– A água do tanque ou da máquina em que foi lavada a roupa serve para lavar calçadas e pisos. Lembre-se: lavar as calçadas com a mangueira é desperdiçar água tratada. Para “varrer” a sujeira, use a vassoura.
– Feche a cuba da pia, deixando um pouco de água. Ensaboe toda a louça e enxágue com água limpa. Não deixe a torneira aberta durante todo o tempo.
– Cinco minutos de chuveiro consomem 70 litros de água. Reduzir o tempo do banho faz muita diferença na conta.
– Reduza o tempo da torneira aberta enquanto escova os dentes, ensaboa as mãos ou faz a barba. Torneira aberta manda para o ralo 20 litros de água por minuto. Prefira vasos sanitários menores, que utilizam menos água para a descarga.

Colaboração AEN

Deixe um comentário