Dólar recua em linha com exterior em meio à espera de agenda forte na semana

De Redação Estadão | 22 de junho de 2020 | 09:52

O dólar segue em queda no mercado doméstico sob influência do exterior nesta segunda-feira de agenda mais fraca. Investidores nos mercados globais reagem aos últimos dados da pandemia do novo coronavírus, que atingiu recorde diário de novos casos no domingo, e após o banco central chinês manter taxas de juros inalteradas.

No Brasil, enquanto monitoram os desdobramentos da prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor na Alerj do atual senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente do País, os agentes financeiros estão na expectativa por indicadores e eventos dos próximos dias. Os principais são a divulgação da ata do Copom, amanhã, a votação do marco do saneamento, na quarta-feira, além de IPCA-15 e relatório Trimestral de Inflação (RTI), na quinta-feira, que podem trazer novas informações para definição das apostas de redução da Selic no Copom de agosto.

Nesta segunda, os índices de confiança divulgados mais cedo deram sinal de melhora. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) apurado na prévia da sondagem de junho teve um avanço de 15,2 pontos em relação ao resultado fechado de maio, para 76,6 pontos. Se confirmado, o avanço será o mais acentuado da série histórica.

Já a pesquisa Focus trouxe poucas mudanças relevantes. A projeção para PIB 2020 passou de -6,51% para -6,50%. A mediana das estimativas para IPCA em 2020 passou de 1,60% para 1,61%. A projeção para Selic segue em 2,25% este ano, sinalizando que não haveria mais cortes de juros.

Em relação à prisão de Queiroz, o senador Flávio Bolsonaro contratou o advogado Rodrigo Roca para o lugar de Frederick Wassef, que deixou de representar o parlamentar na noite deste domingo. Roca atuou na defesa do ex-governador do Rio Sérgio Cabral até 2018. Segundo comunicado enviado pela assessoria de imprensa de Flávio Bolsonaro, Rodrigo Roca passará a defender o senador assim como a advogada Luciana Pires, que “já estava no eleitoral e no HC que será julgado quinta-feira”.

A troca de advogado ocorreu após o advogado da família Bolsonaro e dono da casa em Atibaia, no interior paulista, em que Fabrício Queiroz foi preso na quinta-feira (18), Frederick Wassef, ter afirmado no sábado que ele e o presidente Jair Bolsonaro viraram “uma pessoa só”. “Se surgir qualquer coisa em meu desfavor, é uma armação, uma fraude, uma farsa. (…) Se bater no Fred, atinge o presidente”, disse à CNN Brasil. “Estão fazendo isso para tentar me incriminar”.

Às 9h25, o dólar no mercado à vista caía 1,05%, a R$ 5,2634. O dólar futuro para julho recuava 1,00%, a R$ 5,2685.

Na sexta-feira, o dólar recuou, mas na semana passada acumulou alta de 5,4% em meio a tensões políticas envolvendo a prisão de Fabrício Queiroz e o clã Bolsonaro, as apostas majoritárias de corte de 0,25 ponto porcentual da Selic, para 2,0% ao ano, no Copom de agosto e a demissão de Abraham Weintraub do Ministério da Educação. No ano, no entanto, o dólar acumula alta de mais de 31%, com o real se mantendo no posto de moeda com pior desempenho internacional, em uma cesta de 34 divisas.

Silvana Rocha
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário