Dólar sobe na contramão externa após novo atraso na reforma da Previdência

De Redação Estadão | 27 de junho de 2019 | 07:18

NULL

O dólar opera em alta no mercado doméstico em meio ao novo atraso na tramitação da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara. No exterior, a moeda americana recua frente divisas emergentes ligadas a commodities em meio à divulgação da terceira e última estimativa do PIB dos Estados Unidos no primeiro semestre e antes do encontro entre os presidentes dos Estados Unidos e da China em reunião almoço neste sábado no G-20 em Osaka, no Japão. O evento começa nesta Sexta-feira (28) e termina no sábado, dia 29.

Mais cedo, o RTI voltou a destacar que o balanço de riscos da instituição possui fatores de risco “em ambas as direções” – ou seja, a de baixa e a de alta da inflação. Ao mesmo tempo, o BC pontuou que o risco “preponderante” neste momento é aquele ligado ao andamento das reformas no Congresso. O BC também pontuou que “uma eventual frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira pode afetar prêmios de risco e elevar a trajetória da inflação no horizonte relevante para a política monetária”.

O Banco Central também reafirmou que os próximos passos da política monetária “continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação”.

No caso da Previdência, não houve acordo nesta quarta entre os líderes sobre a inclusão de Estados e municípios no parecer do relator. Por isso, os integrantes da comissão e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda negociam a possibilidade de se convocar uma nova sessão para que o relatório seja lido mais tarde, ainda hoje.Dessa forma, o texto só deverá ser votado na próxima semana na comissão.

Nos mercados internacionais, nesta manhã, o dólar está fraco e as bolsas europeias e os índices futuros dos mercados acionários de Nova York deram uma piorada, reagindo a relatos de que o presidente da China, Xi Jinping, pretende apresentar ao presidente dos EUA, Donald Trump, uma série de condições para a resolução da atual disputa comercial, gerando dúvidas de que os líderes dos dois países conseguirão de fato retomar as negociações comerciais em encontro que terão sábado no Japão.

Segundo fontes ouvidas pela Dow Jones Newswires, Pequim quer que os EUA removam as tarifas impostas a produtos chineses e reduzam a exigência de compras de produtos americanos.

Às 9h33, o dólar à vista subia 0,32%, a R$ 3,8593, enquanto o dólar futuro para julho, mais negociado até hoje, avançava 0,43%, a R$ 3,8590.