Eficiente, Botafogo bate Atlético-MG, ganha a primeira e deixa Inter na liderança

De Redação Estadão | 19 de agosto de 2020 | 23:42

O Botafogo sofreu com a força ofensiva do Atlético Mineiro, mas foi muito mais eficiente para conquistar a sua primeira vitória no Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira, no Engenhão, fez um gol em cada tempo e triunfou por 2 a 1 no duelo válido pela quarta rodada.

Assim como nos jogos anteriores, o Atlético-MG foi intenso, mas dessa vez tomou decisões erradas no ataque e viu o Botafogo aproveitar os seus erros para impor a primeira derrota de Jorge Sampaoli à frente do time – eram sete vitórias e um empate até então.

O Botafogo, por sua vez, foi escalado com três mudanças – Paulo Autuori sacou Honda, Caio Alexandre e Bruno Nazário para as entradas de Luiz Otávio, Guilherme e Pedro Raul. Apostou nos contra-ataques mesmo atuando em casa e conquistou o triunfo.

Sem ter atuado na jornada inicial, o Botafogo chegou aos cinco pontos em três duelos, na sétima posição. Já o Atlético-MG parou nos nove pontos, deixou de ter 100% de aproveitamento e viu a liderança do Brasileirão ser assumida pelo Internacional em função do saldo de gols melhor – 5 a 3 -, caindo para o segundo lugar.

Os times voltarão a campo no fim de semana. No sábado, às 19 horas, o Atlético-MG vai visitar exatamente o Inter, no Beira-Rio. Já no dia seguinte, às 11h, o Botafogo disputará clássico com o Flamengo, no Engenhão.

O JOGO – Botafogo e Atlético-MG fizeram um início de jogo eletrizante, de muitas oportunidades e predomínio da equipe mineira. Apenas nos 20 minutos iniciais, Guilherme Arana finalizou duas vezes com perigo, Keno também teve as suas chances e ainda criou outras para o setor ofensivo do time visitante, aproveitando os espaços no lado direito da defesa adversária.

Com bastante repertório, o Atlético-MG também esteve próximo de marcar após uma cobrança de escanteio em que o cabeceio de Junior Alonso acertou o travessão, aos 24 minutos. Mas quem marcou foi o Botafogo, logo na sequência. Aos 25, Luis Henrique foi acionado pela esquerda, driblou Guga e cruzou rasteiro e fechado. Rafael ainda defendeu, mas Luiz Fernando aproveitou o rebote para completar às redes.

O cenário de predomínio atleticano, e chances perdidas, por decisões questionáveis dos jogadores, se manteve até o fim do primeiro tempo, com Keno dando mais duas finalizações perigosas. E com o time mineiro bastante adiantado, Pedro Raul perdeu oportunidade clara em um contra-ataque de fazer o segundo gol do Botafogo.

Na volta do intervalo, Autuori fez duas trocas, com uma delas deixando clara a intenção de reforçar a marcação, pois sacou o centroavante Pedro Raul para a entrada do volante Rafael Forster. Só que o começo da etapa final foi como quase todo o primeiro tempo, com pressão atleticana e chances perdidas, as duas primeiras com Hyoran, e contra-ataques perigosos do Botafogo.

O Atlético-MG, porém, não conseguiu manter a mesma intensidade, embora permanecesse no campo de ataque, tanto que Savarino acertou o travessão em finalização da grande área. E o Botafogo conseguiu sair do sufoco. Se arriscava em alguns contra-ataques, como quando Bruno Nazário forçou Rafael a fazer boa defesa. E o próprio atacante chegou a marcar o segundo gol do time, só anulado após consulta ao VAR, porque Matheus Babi tocou a bola com o braço na jogada.

O susto não tirou o Atlético-MG do ataque, tanto que Bruno Silva perdeu chance dentro da pequena área. Mas o dia era mesmo do Botafogo. Aos 42 minutos, em um contra-ataque, Matheus Babi tabelou com Bruno Nazário pela direita e cruzou rasteiro para Caio Alexandre aparecer no meio da área e, de carrinho, fazer 2 a 0.

Nos acréscimos, aos 51, o Atlético-MG diminuiu. Após lindo passe de Jair, Igor Rabello marcou contra o seu ex-clube. Mas era muito tarde para evitar a derrota atleticana.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 2 x 1 ATLÉTICO-MG

BOTAFOGO – Gatito Fernández; Barrandeguy (Fernando), Marcelo Benevenuto, Kanu e Danilo Barcelos; Luiz Otávio (Caio Alexandre), Guilherme Santos e Luiz Fernando (Rhuan); Luis Henrique (Bruno Nazário), Pedro Raul (Rafael Forster) e Matheus Babi. Técnico: Paulo Autuori.

ATLÉTICO-MG – Rafael; Guga (Mariano), Junior Alonso, Igor Rabello e Guilherme Arana; Allan (Jair), Allan Franco (Savarino) e Hyoran; Keno, Marquinhos (Mailton) e Marrony (Bruno Silva). Técnico: Jorge Sampaoli.

GOLS – Luiz Fernando, aos 25 minutos do primeiro tempo; Caio Alexandre, aos 43, e Igor Rabello, aos 51 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Flavio Rodrigues de Souza (Fifa/SP).

CARTÕES AMARELOS – Barrandeguy e Danilo Barcelos (Botafogo).

LOCAL – Engenhão, no Rio (RJ).

Leandro Silveira
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário