Equipe de alunos de Ponta Grossa se classifica para finais da Olimpíada Nacional em História

De Redação | 29 de julho de 2019 | 00:00

Três estudantes e um professor de História da Escola Estadual Jesus Divino Operário, em Ponta Grossa, é a única do estado a chegar à final da 11ª edição da Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB).

Organizada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a competição teve cerca de 18 mil equipes em sua fase inicial, sendo que somente 314 foram classificadas para a última etapa.

A Olímpiada é voltada à estudantes de escolas públicas e particulares de todo o país.

O professor Dones Claudio Janz Junior, que leciona História no Jesus Divino Operário, conta que convidou os estudantes por conta do perfil e do desempenho na disciplina. Os alunos, que estão no 9° ano, são Mirella Clausen, Nycolle Ribeiro Meira e Gabriel Henrique Orchanheski. O docente ressalta que a chegada da equipe à final da competição é fruto de trabalho duro e paciência, já que a participação na Olimpíada exigiu bastante estudo no contraturno escolar e um verdadeiro trabalho em equipe. O entrosamento entre os três, com a orientação de Janz Junior, deu tão certo que eles conseguiram superar muitos concorrentes que já estão no Ensino Médio.

“Essa é uma vitória do ensino público paranaense e brasileiro. Quando o trabalho é feito coletivamente, com apoio e reconhecimento, chega-se a resultados como esse. É um sentimento de alegria, de valorização do coletivo. Isso mostra o quanto a escola pública de qualidade precisa ser valorizada”, afirma o professor.

PROA finalista Nycolle Ribeiro Meira afirma que sempre gostou de História, mas passou a se interessar ainda mais pela matéria após ter aulas com Janz Junior. Segundo ela, muito porque o professor não fica preso ao tradicional esquema de “quadro e giz”, estimulando também o aprendizado por meio de filmes, fotografias e trabalhos em grupo.

A estudante, que diz ter vencido a timidez para poder participar da Olimpíada, deixa um recado para colegas que ainda possam ter receio de participar de uma competição nacional. “Quando tiver uma oportunidade como essa, não perca. Muitas vezes pensamos que não somos capazes, mas se nos esforçarmos, corrermos atrás e tivermos fé, a gente consegue”.

No mesmo sentido, o colega de Nycolle na equipe, Gabriel Henrique Orchanheski diz que, enquanto estudante, é preciso deixar o nervosismo de lado e buscar oportunidades, a fim de se superar.

“Nos dedicamos durante alguns meses à Olimpíada, então foi merecedor chegarmos à final. Vamos dar nosso melhor”, diz o adolescente, que já é veterano em eventos do gênero. O estudante é um exemplo de que é possível gostar e se sair bem tanto na área das Humanas quanto na das Exatas, pois já participou de diversas competições regionais de Matemática.

Colaboração AEN