Escola vira 'novidade' para as crianças

De Redação Estadão | 2 de fevereiro de 2021 | 13:00

Valentina Morbach, de 10 anos, dormiu só 40 minutos na noite passada de tanta ansiedade para voltar. Caetano Perroud, de 8, chegou dizendo que quer ver ainda “se vai se acostumar”. Depois de 11 meses longe por causa da pandemia do novo coronavírus, a escola virou novidade na vida das crianças. No primeiro dia da volta às aulas na rede particular da capital paulista, nesta segunda-feira, estudantes se viravam para compreender a nova rotina de estudar fora de casa e as regras impostas pelos protocolos.

Segundo o sindicato das escolas privadas no Estado de São Paulo (Sieeesp), 65% dos alunos em geral vão voltar esta semana ao presencial em esquema de rodízio. Entre as escolas, 100% das que estão em municípios que autorizaram a volta abriram. O Estado e a Prefeitura da capital permitem que apenas 35% dos estudantes estejam por dia presencialmente. Levantamento informal da Associação Brasileira de Escolas Particulares (Abepar) mostra também que a maioria dos pais autorizou o retorno dos filhos, invertendo a proporção do ano passado, quando foram reabertas em outubro. No Colégio Santa Cruz, por exemplo, 95% dos estudantes afirmaram que vão voltar.

Teresa Rocha, de 10 anos, estava feliz em voltar, mas teve dificuldade para usar o novo item do material escolar no Colégio Oswald de Andrade, na zona oeste. O notebook dela travou bem na hora da aula. Professores corriam de uma sala para outra para ajudar as crianças com senhas da internet e distribuíam fones de ouvido.

E a primeira aula presencial foi online. O coordenador deu as boas-vindas – do computador dele no colégio – para quem estava na escola e quem estava em casa. “A ideia é manter o mesmo conceito de integração que fazíamos com o 6.º ano antes, para que se conheçam e conheçam os novos professores”, explica o coordenador Fernando Pimentel. “E não desprestigiar quem está em casa.”

As turmas de cada série no Oswald foram divididas em duas subturmas. O professor presencialmente vai estar ora com uma, ora com outra, revezando com seu assistente. “Tudo vai ser diferente do que a gente estava acostumado, mas muito bom mesmo assim”, diz Valentina, cabelo vermelho, pintado para a ocasião. “Eu precisa ver alguém, algum amigo”, completa o colega Lucas Saito, de 11.

Na entrada das crianças da educação infantil, os pais não puderam acompanhá-los até a sala, como de costume, por causa dos protocolos de segurança. Mas não teve o choro habitual dos primeiros dias. “Isso mostra o tamanho do desejo de voltarem a estar com os amigos”, diz a diretora Rosane Reinert. Pelo pátio, a brincadeira não esquecia a pandemia: um menino corria com uma seringa de brinquedo, dizendo que se tratava da vacina. Duas meninas de 5 anos faziam “sopa de álcool em gel” na bacia de água e areia.

Professores também encontraram uma nova escola. Se os protocolos sanitários já são conhecidos, o desafio agora é conseguir dar aulas em três ambientes: as duas salas, usadas para dividir os estudantes que foram à escola, além do espaço virtual, onde ficaram os que não puderam ir. “Já há algum tempo abandonamos a lógica de aulas expositivas. O professor pode ministrar uma tarefa para o grupo e vai para outra sala, como se fossem estações de aprendizagem”, disse o diretor da unidade do Rio Branco em Higienópolis, Renato Judice.

Depois de muito tempo

Os estudantes do 1.º ano do ensino médio do Rio Branco não chegaram a frequentar aulas extracurriculares em 2020 porque o colégio priorizou a volta da educação infantil. “A gente começa a valorizar mais depois que perde”, diz Sophia Vieira, de 15 anos.

Do lado de fora, os pais também aprendiam a dizer tchau às crianças, sob máscaras, e acrescentavam uso de álcool e distanciamento aos conselhos de sempre. A mãe de Davi, de 11 anos, até preparou uma bolsinha, com máscara e toalha, para o menino levar à escola. “Não põe a mão no nariz, na boca, não coça os olhos”, enumera a corretora de imóveis Simone Groschitz, de 53 anos.

Aluno do 6.º ano, Davi tem um professor para cada matéria, mas nem foi isso o que mais chamou a atenção na escola. “Meu amigo, que se chama André, cresceu. Está mais alto do que eu”, diz o menino, que ficou quase um ano sem ver os colegas do Colégio Santa Maria, na zona sul de São Paulo. “Algumas colegas estavam com cabelo pintado, descolorido, cortado e mais altas”, disse Giovana Machado, de 11 anos.

Aluno do Rio Branco, Pedro, de 10 anos, foi “doutrinado” pela mãe para seguir os protocolos sanitários. “Ele está feliz da vida. Não aguentava mais e nós também não”, diz a administradora de empresas Patrícia Bianchi, de 45 anos. Agora, difícil vai ser encarar o rodízio, outra novidade. “Ele só está triste porque semana que vem não vai poder vir.”

Na saída do Colégio Mágico de Oz, as crianças mostravam aos pais os colegas que só conheciam pela tela. “Mamãe, essa é a Barbara!”, “Esse é o André”, diziam. Um dos novos alunos era Pedro, de 5 anos. “Gostei muito”, disse empolgado. A mãe, a gerente de comunicação Ana Luiza Petry, de 39 anos, diz que um dos principais motivos para aderir às aulas presenciais foi o bem-estar mental do filho. “Risco zero não existe, né, mas estamos seguindo os protocolos, então não vejo tanto problema.”

Perguntas e respostas

1. Todos podem voltar?

O Estado e a Prefeitura da capital paulista permitem que apenas 35% dos estudantes estejam por dia presencialmente. O retorno foi finalmente confirmado na sexta-feira, depois de uma disputa judicial. O sindicato dos professores conseguiu uma liminar impedindo as aulas presenciais, mas o presidente do Tribunal de Justiça derrubou no dia seguinte. Na rede estadual, as atividades presenciais voltam no dia 8 e nas municipais, no dia 15. Nas fases vermelha e laranja do Plano São Paulo, mesmo na rede pública, o retorno é opcional.

2. Quem define a volta?

Conforme o TJ, cabe ao Executivo definir quando é possível haver aulas presenciais. Mas cabe aos país definirem se enviam ou não os filhos.

3. E no caso de quem ficou em casa?

A maioria dos colégios que reabriu ontem trabalhou atividades tanto remotas quanto presenciais, no chamado modelo híbrido. As instituições garantem que ninguém será prejudicado.

4. E os protocolos de saúde?

Todos os protocolos definidos pelas autoridades, incluindo máscara e distanciamento, precisam ser adotados nos colégios.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Renata Cafardo, Júlia Marques e João Ker
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.