EUA encerram cinco programas de intercâmbio cultural com a China

De Redação Estadão | 5 de dezembro de 2020 | 13:55

O governo Trump encerrou cinco programas de intercâmbio cultural com a China, argumentando que os programas estariam sendo usados pelos chineses como propaganda e não tinham nenhum benefício para os Estados Unidos.

As rescisões vêm após novas restrições de visto anunciadas por Washington, limitando a permanência nos EUA de membros do Partido Comunista da China. Também sinalizam mais erosão nas relações com Pequim nas semanas finais do presidente dos EUA, Donald Trump, no cargo.

O secretário de Estado Mike Pompeo disse que os programas de intercâmbio que ele encerrou eram totalmente pagos e operados pelo governo chinês “como ferramentas de propaganda de soft power” Eles forneciam “acesso cuidadosamente selecionado aos funcionários do Partido Comunista Chinês, e não ao povo chinês, que não goza de liberdade de expressão e assembleia”, disse em comunicado na sexta-feira.

O Departamento de Estado encerrou o Programa Educacional de Viagem para a China para Formuladores de Políticas, o Programa de Amizade EUA-China, o Programa de Intercâmbio de Lideranças EUA-China, o Programa de Intercâmbio Transpacífico EUA-China e o Programa Educacional e Cultural de Hong Kong. Cada programa permitiu que autoridades dos EUA viajassem à China com despesas cobertas por Pequim. Pompeo disse que os EUA saúdam “intercâmbios culturais recíprocos de programas culturais” com a China, e outros mutuamente benéficos continuarão.

Na última semana, os EUA anunciaram novos limites de tempo para vistos para membros do Partido Comunista Chinês e suas famílias. Os seus documentos de viagem passam a ser válidos por um mês em vez de 10 anos.

A administração Trump adotou uma série de medidas punitivas contra a China, à medida que as disputas se acirram sobre direitos humanos, pandemia do novo coronavírus, comércio, tecnologia, Taiwan e muitas outras questões. Os passos de Trump estão sujeitos a serem revertidos depois que o democrata Joe Biden se tornar presidente dos EUA em 20 de janeiro. Fonte: Associated Press.

AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.