EUA: voto via correio é mais aceito entre Democratas e gera disputa política

De Redação Estadão | 15 de maio de 2020 | 11:20

A pandemia do novo coronavírus está impondo uma nova realidade às eleições americanas para a Casa Branca, colocando na pauta, especialmente, a possibilidade de votação pelos correios, o que provoca uma intensa batalha política entre Democratas e Republicanos.

O partido da oposição é favorável ao aumento substancial dos votos não presenciais. Argumenta que a pandemia não permitirá que milhões de pessoas se desloquem para votar nas urnas. Os Republicanos, liderados pela opinião do presidente Donald Trump, são contrários à medida. Eles alegam que os votos pelos correios poderão elevar muito o número de casos de fraude. Trump já declarou que os eleitores da sua legenda não se adaptam bem a esta modalidade de votação, o que elevaria as chances de sucesso dos democratas no pleito do dia 3 de novembro.

A maioria dos americanos (64%), é favorável à votação pelos correios, de acordo com uma pesquisa realizada pela empresa Gallup entre 14 e 28 de abril. Contudo, o nível de apoio é bem diferente de acordo com a preferência política. No caso dos Democratas, 83% apoiam a medida. A taxa de aceitação cai para 68% entre os independentes e é de somente 40% entre os Republicanos.

No geral, os eleitores mais jovens, entre 18 e 29 anos, são os maiores defensores do voto não presencial. A aprovação é de 73% entre essa fatia do eleitorado. Já entre os cidadãos com idade superior a 65 anos o apoio recua para 55%. Em relação ao surgimento de fraudes, 76% dos Republicanos apontam que ela vai subir com a votação pelos correios, mas essa avaliação é compartilhada por apenas 27% dos Democratas.

A prerrogativa da decisão sobre a realização da votação pelos correios no país compete aos Estados, com a aprovação de governadores e Assembleias Legislativas. Até o momento cinco Estados já aprovaram esta modalidade de voto a distância nos EUA, entre eles Califórnia, Washington e Oregon. Vários outros governadores querem adotá-la, mas precisam de verbas federais para viabilizar os gastos extras.

Não há um prazo definido para a decisão seja tomada, mas o que se sabe é que não poderá demorar muito, pois o tempo até as eleições já não é muito diante das necessidades que exige a organização do pleito pelos correios. Até porque, as cédulas precisarão ser enviadas aos eleitores pelo correio bem antes do prazo final das eleições. Assim, as pessoas podem fazer sua escolha e encaminhar o voto de volta para que seja contabilizado.

Voto pelo correio não é exatamente uma novidade nos EUA. Alguns Estados já permitem isso, porém o eleitor tem que solicitar esse direito. Na maioria dos Estados, no entanto, o voto pelos correios só é permitido a quem tem um impedimento para se deslocar até a urna.

Ricardo Leopoldo, correspondente
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário