Evento virtual do Sesc debate luto e crianças em isolamento social

De Redação Estadão | 12 de outubro de 2020 | 11:52

A série Ideias, promovida pelo Sesc São Paulo por intermédio de seu Centro de Pesquisa e Formação, traz debates virtuais sobre as principais questões da agenda sociocultural e educativa atual. Diante da pandemia do novo coronavírus, o objetivo é incentivar a reflexão no contexto desafiador em que vivemos. As conferências acontecem pelo canal do YouTube do Sesc São Paulo, às 16h, com participação do público e tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Na terça-feira, 13, a mesa “O Luto frente à Pandemia” discute os diferentes tipos de luto em tempos de coronavírus, que atingiu a saúde emocional de todos. Processos de luto individual e coletivo, a perda de entes queridos e a ausência de ritos tradicionais de despedida, as mudanças de rotina, o cancelamento ou adiamento de planos e o desemprego também serão explorados.

O debate terá a presença da psicóloga Maria Helena Pereira Franco, professora titular da PUC-SP no programa de pós-graduação em Psicologia Clínica e coordenadora do Laboratório de Estudos e Intervenções sobre o Luto da mesma instituição, e de Gabriella Costa Pessoa, mestra em Psicologia Clínica pela PUC-SP, colaboradora fundadora do Programa de Acolhimento ao Luto do departamento de Psiquiatria (PROALU) da Unifesp e colaboradora do Instituto Vita Alere (de Prevenção e Posvenção do Suicídio). A apresentação é de Dulci Lima, pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo, com mediação de Ivani Oliveira, psicóloga e integrante da organização negra Kilombagem.

Na quinta-feira, 15, a série traz o debate “Agora é com Elas – A Voz das Crianças”, que abre espaço para ouvir o que as crianças têm a dizer a respeito do período de isolamento social. Muito se discute sobre as novas forma de educar em tempos de pandemia, aulas online, excesso de tempo em frente às variadas telas disponíveis, a pouca convivência entre os pequenos e a falta de espaços para brincar. Mas o que eles têm a nos dizer sobre tudo isso?

A conversa, que conta com a mediação de Andreia Reis, arte-educadora, mestre em Arte Cênicas e educadora dos programas Curumim e Juventudes no Sesc Sorocaba, e apresentação de Marcos Takeda, arte-educador, artesão e educador do programa Curumim no Sesc Rio Preto, tem a participação de Cecilia Silva, de 9 anos, participante do Curumim Sesc Ipiranga, João Lucas Rodrigues Zani, de 10, do Curumim no Sesc Rio Preto e Maria Clara Ferreira Nascimento, de 13, estudante, youtuber do canal Pretinha Sim e integrante do Curumim no Sesc Sorocaba.

Na sexta-feira, 16, o bate-papo “São Paulo Vista de Cima: Fotografia e Paisagem Urbana” aborda a relação entre fotografia e paisagem urbana, tendo como ponto de partida o livro “São Paulo Vista de Cima”, lançado recentemente pelo fotógrafo Cássio Vasconcellos, que participa do debate ao lado da também fotógrafa e artista plástica Claudia Jaguaribe. A obra traz uma reflexão sobre as transformações que perpassam a arquitetura monumental, a ocupação urbana, as restritas áreas verdes e certa organização estética do caos que habita a cidade. A apresentação é de Eder Martins, mestre em história social pela PUC-SP e pesquisador no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo, com mediação de Francisco Alambert, doutor em História pela USP, historiador e crítico de arte.

Fechando a série de debates, no sábado, 17, acontece a conversa “O Prazer dos Olhos”, que trata das investigações contemporâneas do olhar. Estarão em pauta as ideias e ações audiovisuais de um novo tempo de observar e enxergar, diálogos e reflexões sobre a criação de imagens poéticas e cinéticas, inventividade e inovação.

O debate conta com as presenças de Julia Zakia, diretora e fotógrafa, Biarritzz, artista transmídia e Patricia Ferreira Pará Yxapy, cineasta indígena brasileira. A apresentação é de Solange Alboreda, doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, curadora de cinema ambiental e técnica do SescTV, com mediação de Lucila Meirelles, videoartista, diretora de vídeo e TV e mestra em Artes Visuais.

Desde o final de agosto, cinco meses após a suspensão majoritária do atendimento presencial nas unidades, o Sesc São Paulo anunciou uma parcial e gradativa retomada, com um número restrito de atividades, dirigidas aos alunos que já eram inscritos nos cursos de Ginástica Multifuncional, Práticas Corporais e Corrida, além de pacientes das Clínicas Odontológicas cujos tratamentos foram interrompidos pela pandemia. Todas essas atividades serão previamente agendadas, visando restringir a circulação de público no interior das unidades.

Todas as 40 unidades do Estado darão início a essa retomada gradual à medida que os municípios em que estão instaladas atinjam a classificação necessária para reabertura, estabelecida pelo Plano São Paulo do governo do Estado, e em conformidade com as regulações municipais.

Paralelo à retomada gradual de alguns serviços presenciais, a instituição segue oferecendo um conjunto de iniciativas online, que garante a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua.

Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita. Confira a programação do #EmCasaComSesc.

Camila Tuchlinski
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário