'Extreme Makeover Brasil' estreia no GNT

De Redação Estadão | 10 de março de 2020 | 07:22

Não importa onde ele esteja ou o projeto que encabece, o certo é que o ator e apresentador Otaviano Costa faz tudo sempre com muita intensidade, se jogando de cabeça em qual seja a proposta. E é o que ele promete para esta sua nova empreitada, o Extreme Makeover Brasil, programa de reformas e obras em casas previamente escolhidas, que estreia nesta terça-feira, 10, às 21h30, no GNT. Uma parceria do canal com a Endemol, o reality segue o esquema do original, que era comandado pelo ator Ty Pennington – ele ficou no ar entre 2003 e 2012 e ainda conquistou o Emmy Award. Como neste, a versão brasileira terá, além de Otaviano, um time de especialistas, que é formado pelo arquiteto Duda Porto, a engenheira Bruna Arruda, o expert em decoração Diogo Oliveira e a criadora (maker) Paloma Cipriano.

Para Otaviano, essa proposta de apresentar o reality foi uma boa surpresa para ele, que havia saído da Globo com a intenção de redirecionar sua carreira. “Fiz toda uma transformação digital, além da construção do meu estúdio e a criação do meu canal no YouTube, estava dedicado a isso”, afirma, contando que havia sido sondado por algumas emissoras, mas que nada tinha chamado muito sua atenção, até surgir o Extreme Makeover Brasil.

“Conhecia o formato e adoro o DNA desse programa, foi irrecusável, que une com riso e emoção, que tem por finalidade realizar a transformação real na vida das pessoas. Isso é muito legal.”

Como no programa americano, no brasileiro o esquema será semelhante. Segundo Otaviano, há uma esquema, uma ‘bíblia’, a ser seguido, pois se trata de um formato internacional, mantendo alguns passos semelhantes, como é o caso do ônibus usado. “Lá eles tinham como palavra de ordem ‘move that bus’ e aqui, nós fizemos uma consulta pública pelas redes e ficamos com ‘toca esse busão’. Esse será nosso bordão da versão brasileira”, revela Ota.

Mesmo tendo de seguir um projeto já existente, Otaviano deixa claro que haverá um forte diferencial no modelo nacional, que é exatamente a maneira de fazer do brasileiro. “Eu poderia ficar engessado, mas não, ao contrário, tenho total liberdade, pois eles entenderam que aqui têm um comunicador.”

Como se trata de um programa de reformas e obras, todo mundo precisa colocar a mão na massa. E Otaviano não fica de fora desse trabalho duro, jurando que não faz corpo mole. “Eu quebro tudo sim, faço parte, afinal, sou filho de engenheiros, eu e a Flavia (Alessandra, mulher dele) adoramos fazer obras, vocês vão me ver quebrando paredes, pintando, carregando coisas, coloco a mão na massa sim”, avisa o rapaz.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Eliana Silva de Souza
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário