Governo de SP mantém volta opcional das aulas para 7 de outubro

De Redação Estadão | 5 de outubro de 2020 | 15:25

O governo do Estado de São Paulo manteve o cronograma para o retorno às aulas presenciais para esta quarta-feira, 7. Nas escolas do Estado, este retorno começará pelo ensino médio e também pela educação de jovens e adultos (EJA). Para as escolas estaduais que atendem alunos do ensino fundamental, a data prevista de retorno foi alterada para o dia 3 de novembro.

“Decidimos iniciar o retorno por esses ciclos (no Estado) porque são os mais afetados pela evasão escolar”, afirmou o governador João Doria (PSDB). O retorno às aulas está autorizado para municípios há mais de 28 dias na fase amarela e deve respeitar os protocolos da área da Saúde e também da Educação. Mas a decisão de reabertura das escolas cabe aos prefeitos.

Desde o dia 8 de setembro, as escolas estão autorizadas a retomar atividades, mas apenas de apoio pedagógico. De acordo com o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, cerca de 400 escolas já estão funcionando para este tipo de atendimento.

Na capital paulista, por determinação do prefeito Bruno Covas (PSDB), escolas públicas e particulares vão voltar a funcionar nesta quarta-feira, com 20% da capacidade, e somente para atividades presenciais extracurriculares. A volta às aulas está prevista na capital no dia 3 de novembro. Como mostrou o Estadão, as estimativas são de que mais de 80% das instituições particulares reabram e 40% das famílias não levem seus filhos.

Devem ser reabertas na capital 100 escolas estaduais. Sobre o número, Soares afirmou que a volta não é uma imposição. “Esse é um processo construído com a comunidade e não abrimos mão. Se tiver uma ou cem na capital (escolas estaduais), estamos satisfeitos, porque damos opção aos que desejam. É uma volta participativa. Não estamos impondo, mas construindo com as comunidades”, disse.

Tanto Soares quanto o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, foram questionados se mandariam os filhos às escolas neste retorno. “Sim, sempre responderia sim. Envie seus filhos às escolas, obedecendo aquilo que a saúde propõe”, disse Soares. “Fico muito mais preocupado com meus filhos passeando do que se estivessem indo pra escola ou faculdade. Eu tenho certeza que todas as normas sanitárias serão seguidas nesse ambiente escolar”, disse Gorinchteyn.

Sobre a possibilidade de imunização de professores, Doria voltou a afirmar que os primeiros a serem vacinados serão os profissionais da área da saúde. Mas Gorinchteyn disse que os professores devem ser imunizados na sequência. “Os educadores serão o segundo grupo a ser vacinado. Estamos falando de 250 mil funcionários no Estado. E os das redes municipal e particular também serão. Temos que ter o major número possível de doses para vacinar o maior número de pessoas”, disse.

Matrículas na rede estadual em 2021

Durante a coletiva, Soares também anunciou que as matrículas para 2021 na rede estadual estarão abertas a partir desta terça-feira, 6. O prazo para matrícula para quem já é aluno na rede estadual vai até 16 de outubro. Já para quem não é aluno, o prazo é 30 de outubro. Para 2021, também haverá a possibilidade de matrícula no 4º ano do ensino médio. Ela será opcional para alunos do 3º ano, mas confirmação acontecerá somente em dezembro. A solicitação deve ser feita pelo aplicativo Minha Escola SP ou pela plataforma Secretaria Escolar Digital (SED).

“Os pais e interessados podem procurar qualquer escola estadual, a diretoria de ensino ou os postos do Poupatempo em todo o estado de São Paulo”, afirmou o governador João Doria.

Rossieli afirmou que o cronograma de aulas de 2021 ainda será divulgado. Ele afirmou que o ano letivo de 2020 vai até 30 de dezembro e que haverá férias em janeiro.

Paloma Cotes
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário