Grêmio e Fortaleza empatam e falham na missão de embalar no Brasileirão

De Redação Estadão | 13 de setembro de 2020 | 18:18

Ganhar dois jogos seguidos no Brasileirão está sendo uma missão ingrata para Grêmio e Fortaleza neste Brasileirão. E não foi desta vez que conseguiram tal proeza. Num jogo na qual a meta era embalar na busca pelo G-4 da classificação, o equilíbrio prevaleceu e o empate por 1 a 1 acabou fazendo justiça ao apresentado na Arena do Grêmio.

Com campanhas discretas, as equipes seguem estacionadas no meio da tabela, ambas com 12 pontos. Osvaldo e Diego Souza foram os autores dos gols.

Enquanto o Grêmio agora muda a chave e foca na Copa Libertadores – visita a Universidad Católica, no Chile -, os cearenses terão a semana livre para se preparar para o confronto com o Internacional, sábado, em seis domínios.

Há uma semana, o discurso de Grêmio e Fortaleza era o de voltar a vencer no Brasileirão. Os gaúchos vinham de cinco jogos sem ganhar e os cearenses de duas derrotas seguidas. Ambos desencantaram no meio de semana, contra Bahia e Red Bull Bragantino, respectivamente, e o foco mudou.

Ambos pisaram na Arena do Grêmio falando em embalar para buscar as primeiras colocações. Confiantes, apostavam em segundo triunfo e na subida da tabela de classificação. Mesmo com compromisso diante da Universidad Católica, quarta-feira, Renato Gaúcho escalou força máxima. Queria, a todo custo, emplacar novo triunfo.

Mas quem começou dando as cartas foi o time visitante. Logo aos 3 minutos, o ligeiro Osvaldo entrou pela esquerda e exigiu ótima defesa de Vanderlei. O atacante ficou no quase. Mas levaria a melhor sobre o goleiro aos 16, curiosamente num lance de cruzamento. Osvaldo jogou para Deivid, que não alcançou. A bola passou, ninguém encostou, e ela acabou nas redes de Vanderlei: 1 a 0 para um atrevido e bem armado time de Rogério Ceni.

Mesmo em casa, o Grêmio não conseguiu se livrar da marcação. Teve uma única finalização perigosa na primeira etapa e ainda viu o volante Maicon sair machucado com meia hora de jogo. Contusão muscular que deve custar sua ausência na Libertadores.

Renato Gaúcho sabia que sua equipe tinha de ser diferente. Então, trocou a força física de Isaque pela velocidade de Luiz Fernando. Nem bem a etapa final começou e o zagueiro Quintero resolveu ser generoso com os gaúchos.

Com apenas um minuto, empurrou Everton pelas costas cometendo um pênalti infantil. Rogério Ceni ficou maluco com a marcação, reclamando muito. Foi punido com cartão amarelo, e de nada adiantou esbravejar.

Após três minutos de reclamações e indignações, Diego Souza cobrou, Felipe Alves defendeu com o braço esticado, mas Luis Fernando empatou no rebote. Como invadiu a área o lance acabou impugnado e a cobrança remarcada. Mais dois minutos de espera e, desta vez, Diego Souza não errou: 1 a 1.

O Grêmio, então, se lançou com tudo atrás da virada. Pressionou e também sofreu perigosos contragolpe. Mas nada de gols. Ao menos válidos.

Aos 40, Felipe Alves fez dois milagres em finalizações de Orejuela e Geromel. O lateral marcou no terceiro lance, mas o gol foi anulado por claro impedimento. O 1 a 1 acabou refletindo o que foi o duelo.

FICHA TÉCNICA:

GRÊMIO 1 x 1 FORTALEZA

GRÊMIO – Vanderlei; Orejuela (Guilherme Azevedo), Geromel, David Braz e Bruno Cortez; Darlan, Maicon (Robinho), Alisson e Everton (Ferreira); Isaque (Luiz Fernando) e Diego Souza. Técnico: Renato Gaúcho.

FORTALEZA – Felipe Alves; Gabriel Dias, Quintero, Paulão e Carlinhos (Bruno Melo); Ronald (Luiz Henrique), Juninho, David (Yuri César) e Romarinho; Osvaldo (Derley) e Wellington Paulista (Marlon). Técnico: Rogério Ceni.

GOLS – Osvaldo, aos 16 minutos do primeiro tempo. Diego Souza, aos 7 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Robinho (Grêmio), Osvaldo e Derley (Fortaleza).

CARTÕES VERMELHOS – Gabriel Dias (Fortaleza) e Luiz Fernando (Grêmio).

ÁRBITRO – Igor Junio Benevenuto de Oliveira (MG).

RENDA E PÚBLICO – Jogo disputado com portões fechados.

LOCAL – Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS).

Fábio Hecico, especial para a AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário