Guedes: reindustrialização do Brasil será feita em cima do gás natural barato

De Redação Estadão | 4 de dezembro de 2019 | 15:44

O preço do gás natural no Brasil vai cair ao menos 40% no próximo um ano e meio, gerando um choque de energia barata para sustentar um processo de reindustrialização no País, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista ao site “O Antagonista”.

Segundo Guedes, o choque “já está encomendado”, com atuação do governo em duas frentes: a quebra do monopólio da extração do gás natural pela Petrobras, a partir de uma decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade); e uma “articulação complexa” com governadores para que os Estados abram mão do monopólio na distribuição do gás.

Segundo o ministro, a Petrobras já começou a vender suas subsidiárias e, com o aumento da competição, o preço do gás já estaria caindo. “A Vale já está tentando comprar gás natural a oito, 10, 25, 30 anos”, pontuou.

“Nosso problema é esse monopólio. No Brasil, o gás natural custa US$ 12 a US$ 13 por milhão de BTUs, enquanto países que não têm gás natural, como os da Europa ou o Japão, importam da Rússia por US$ 7, quase metade do nosso preço”, avaliou o ministro. “Mas esse choque da energia barata está chegando já, já”, completou.

Segundo Guedes, o barateamento da energia vai sustentar a recuperação da indústria brasileira, que também deve ser beneficiada pela queda dos juros. “Teremos expansão do consumo, com estímulo para a indústria crescer de novo, retomar a capacidade ociosa e, depois, o investimento”, disse.

O ministro ressaltou, ainda, que a ideia parte do mesmo modelo dos Estados Unidos, onde a retomada industrial “foi feita em cima do gás natural barato deles.”

Cícero Cotrim e Márcio Rodrigues
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.