Juros sobem após PIB dentro do esperado e antes de leilão do Tesouro

De Redação Estadão | 30 de maio de 2019 | 07:10

Os juros futuros começaram o dia perto da estabilidade, mas depois assumiam um viés de alta, junto com o dólar, mesmo após o Produto Interno Bruto (PIB) do 1º trimestre ter mostrado queda de 0,2% no primeiro trimestre ante o trimestre anterior, uma vez que veio igual à mediana das estimativas.

Nos dois últimos dias, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que não se pode “tolerar inflação mais alta em troca de crescimento”, sinalizando estabilidade dos juros.

Há ainda alguma pressão antes do leilão de LTN, NTN-F e LFT do Tesouro (11 horas).

Às 9h20, o DI para janeiro de 2021 estava em 6,63%, na máxima, de 6,60% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2023 exibia 7,68%, de 7,66%, enquanto o vencimento para janeiro de 2025 estava em 8,25%, de 8,22% no ajuste anterior.