Lava Jato em Curitiba chega ao fim e passa a integrar grupo anticrime organizado

De Redação Estadão | 3 de fevereiro de 2021 | 11:00

Como anunciado em dezembro de 2020 pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, chegou ao fim neste mês o prazo para integração da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) instituído no Ministério Público Federal do Paraná.

Desde o dia 1º de fevereiro, a força-tarefa paranaense deixou de existir oficialmente, após quase sete anos de trabalho e 79 operações. Quatro de seus membros seguirão no Gaeco, com mandatos até agosto de 2022, para garantir a continuidade das investigações em curso. A equipe é composta ainda por mais cinco procuradores.

Veja a composição do Gaeco no Paraná:

– Alessandro José Fernandes de Oliveira
– Daniel Holzmann Coimbra
– Henrique Gentil Oliveira
– Henrique Hahn Martins de Menezes
– Laura Gonçalves Tessler
– Lucas Bertinato Maron
– Luciana de Miguel Cardoso Bogo
– Raphael Otavio Bueno Santos
– Roberson Henrique Pozzobon.

Dados e números

Desde 2014, a Lava Jato abriu 79 fases e condenou 174 pessoas. Entre elas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e o ex-governador do Rio Sérgio Cabral – além de diversos atores políticos das últimas décadas como José Dirceu e Antônio Palocci. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), R$ 4,3 bilhões foram devolvidos aos cofres públicos por meio de acordos de colaboração premiada e de leniência.

Fausto Macedo
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.