Líder de motim militar no Mali diz ter capturado presidente e primeiro-ministro

De Redação Estadão | 18 de agosto de 2020 | 16:44

O presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, e seu primeiro-ministro, Boubou Cissé, foram capturados nesta terça-feira, 18, na capital, Bamako, por soldados amotinados, segundo relatou a agências internacionais um dos líderes do levante.

Tanto o presidente como o premiê estiveram ausentes durante as longas horas do que parecia ser um motim no início e depois se transformou em um golpe de Estado.

“Podemos dizer que o presidente e o primeiro-ministro estão sob nosso controle. Nós os detivemos em seu domicílio (do chefe de Estado)”, declarou o líder militar, que não quis se identificar.

“IBK (presidente Keita) e seu primeiro-ministro seguiram em um veículo blindado com destino a Kati”, um acampamento militar nos arredores de Bamako onde o motim começou horas antes, afirmou outra fonte militar rebelde.

Até mesmo um comunicado supostamente assinado por Cissé à tarde, que pedia diálogo com os líderes do golpe, foi questionado por observadores e atribuído a pessoas de seu entorno que tentavam esconder a gravidade da situação.

O presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, condenou as detenções. “Condeno energicamente a detenção do presidente Ibrahim Boubacar Keita, (do) primeiro-ministro (Boubou Cissé) e (de) outros membros do governo do Mali e peço sua libertação imediata”, escreveu Faki em sua conta no Twitter.

A notícia do aparente triunfo do golpe, que aparentemente ocorreu sem derramamento de sangue, espalhou-se imediatamente pela capital, Bamako, em cujas principais avenidas trafegam veículos militares, e onde milhares de pessoas saíram às ruas para comemorar o que aconteceu. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Redação
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.