Londres quer anular partes do Brexit

De Redação Estadão | 8 de setembro de 2020 | 07:01

O governo britânico está preparando um texto legislativo que pode anular partes do acordo de retirada da União Europeia (UE) firmado em 2019. Isso ameaça prejudicar as negociações comerciais entre Londres e Bruxelas.

A informação, adiantada pelo jornal Financial Times, coincide com o ultimato dado pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, para que Londres e Bruxelas cheguem a um acordo sobre sua futura relação comercial para este 15 de outubro.

Caso contrário, seu país finalizará a desconexão do bloco europeu sem pacto quando o período de transição terminar, em 31 de dezembro. As ameaças do Executivo conservador do Reino Unido vêm à tona antes que outra rodada de conversações entre o negociador britânico, David Frost, e o principal representante da União Europeia para o Brexit, Michel Barnier, comece hoje.

Ontem, Barnier, alertou que todos os compromissos alcançados “devem ser respeitados”. “É um sinal de confiança no futuro”, insistiu Barnier em entrevista à rádio France Inter.

O representante da UE disse que abordará esta questão com seu homólogo britânico durante a oitava rodada de negociações sobre as relações pós-Brexit entre a comunidade europeia e o Reino Unido esta semana. “O que é importante para mim é o que o primeiro-ministro diz e faz, e o que o governo britânico diz e faz”, enfatizou.

Quanto à Irlanda do Norte, Barnier insistiu que não deveria haver fronteira terrestre. “É a condição para uma economia unida e coerente em toda a ilha e também para que todo o mercado único seja respeitado.”

O Reino Unido deixou formalmente a UE em 31 de janeiro – no chamado Brexit -, cerca de quatro anos depois de um referendo histórico que marcou o fim de quase 50 anos de adesão ao bloco. Até o final deste ano, o país continuará regido por regulamentações europeias. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário