Mananciais da Serra, na RMC, atraem libélulas

De Barbara Schiontek | 17 de março de 2021 | 10:22
Os Mananciais da Serra, em Piraquara, são uma espécie de santuário de libélulas. Preservada pela Sanepar, essa área de Mata Atlântica abriga 113 espécies desse inseto. Os Mananciais são protegidos desde 1904, quando começaram as obras para o primeiro sistema de captação de água para Curitiba. - 16/03/2021 - Foto: UFPR

Os Mananciais da Serra, em Piraquara, Região Metropolitana de Curitiba (RMC), são uma espécie de santuário de libélulas. Preservada pela Sanepar, essa área de Mata Atlântica abriga 113 espécies do inseto, que é considerado um importante bioindicador, já que sua presença indica rios limpos.

Os Mananciais são protegidos desde 1904, quando começaram as obras para o primeiro sistema de captação de água para Curitiba. Até 2004, a Sanepar utilizou a estrutura para abastecer a capital paranaense e, em 2020, reativou essa captação devido à crise hídrica.

Com o nome científico de odonata, as libélulas foram identificadas por um estudo realizado nos Mananciais, pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Recentemente, os pesquisadores registraram 53 novas espécies, número que quase duplicou as categorias do inseto em território paranaense. Antes, ao todo, eram catalogadas 60.

As libélulas são importantes, pois além de indicarem rios limpos no meio ambiente, também sinalizam a saúde geral de riachos, brejos, lagos e reservatórios, visto que são sensíveis às mudanças ambientais dos ecossistemas aquáticos. São predadores vorazes e fazem o controle biológico de outras espécies vetores de doenças, como o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

Mananciais da Serra

Entre 1904 e 1908, os Mananciais da Serra foram construídos, formando um conjunto de 17 reservatórios. Até 1946, eles eram a única fonte de abastecimento de Curitiba, passando a operar em conjunto com o sistema de estações de tratamento de água do Tarumã, do Iguaçu e das barragens até 2004.

No ano passado, em agosto, em meio à crise hídrica, foram reativados para ajudar a manter o nível da barragem Piraquara I. O sistema contribui com cerca de 30 a 40 litros por segundo que abastecem, aproximadamente, 24 mil pessoas.

Pesquisa

A coleta do material para a pesquisa nos Mananciais da Serra ocorreu entre dezembro de 2018 e abril de 2019. Foram programadas 20 expedições, que resultaram no registro de 1.700 exemplares na área mantida pela Sanepar e que abriga os principais reservatórios de abastecimento de água para Curitiba e região. 

Os resultados foram publicados na revista Zoologia e fizeram parte do projeto de mestrado de Breno Rodrigo de Araújo, do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas – Entomologia da UFPR. O trabalho teve orientação do professor Ângelo Parise Pinto, do Departamento de Zoologia e coorientação do professor André Adrian Padial, do Departamento de Botânica.

Com os dados levantados, o Paraná passa a ter a comprovação da existência de cerca de 12% das espécies de libélulas encontradas no Brasil.

Colaboração AEN