Medida restringe circulação de veículos na Estrada da Graciosa

De Barbara Schiontek | 29 de dezembro de 2020 | 20:08
Foto: AEN
Foto: AEN

Uma resolução publicada em conjunto pelas Secretarias de Estado da Segurança Pública (SESP) e da Saúde (SESA) restringe a circulação de veículos na Estrada da Graciosa, sentido Quatro Barras ao Litoral do Paraná. A interdição acontece durante o período de 30 de dezembro de 2020 até 03 de janeiro de 2021, das 09 horas às 16 horas, no trecho entre o Portal da Graciosa até o Trevo São João da Graciosa.  

A medida tem o apoio do Governo do Estado e é uma ação preventiva, devido ao crescente número de veículos que circulam na região nessa época do ano.

O Secretário de Estado da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, afirma que a medida é importante devido às aglomerações na descida da serra e na beira dos rios. “Com a prorrogação do decreto que limita a circulação de pessoas, continua valendo a orientação da não aglomeração, do uso de máscara e, naquela região, observamos que os espaços são pequenos e muito procurados pelos turistas, o que acaba agrupando pessoas e pode contribuir para a propagação da doença”, explica.

A resolução publicada também levou em consideração a análise da Defesa Civil sobre as condições climáticas, com possibilidades de chuvas intensas, enxurradas e alagamentos, o que torna o trânsito mais perigoso na via.

Exceções

A medida não se aplica para os veículos de emergência e dos moradores dos municípios de Quatro Barras, Morretes, Antonina e Guaraqueçaba. Também vai ser permitida a entrada, mediante comprovação, de veículos de entregas para os moradores dos municípios da região.

O coordenador da Defesa Civil Estadual, Coronel Fernando Schunig, diz que a região do Litoral tem problemas com as chuvas no período do verão. “Morretes e Antonina são regiões montanhosas com uma formação geológica que apresenta riscos e histórico de deslizamentos graves, inclusive com óbitos registrados. Dessa forma, não se pode afirmar que o risco não existe, e com a possibilidade da ocorrência de novas pancadas de chuva, existe a probabilidade de uma elevação do nível de risco da região. ”

De acordo com Schunig, a resolução é uma maneira de diminuir o intenso tráfego e proteger as vidas dos paranaenses e dos turistas que passam pelo local.

Colaboração AEN