Nem céu nublado contém banhistas nas praias da Baixada Santista

De Redação Estadão | 27 de dezembro de 2020 | 18:48

A Baixada Santista teve céu nublado e garoa nas principais praias neste domingo, 27. Mesmo assim, turistas e moradores aproveitaram para andar na beira do mar ou ficar com amigos ou familiares nas barracas dos ambulantes na praia. Apesar da constante fiscalização de guardas municipais e policiais militares, muita gente aproveitou os momentos de lazer sem a máscara de proteção contra o novo coronavírus.

O comerciante Alex Ramos, mais conhecido como Careca, comemorou a movimentação. Ele tem um carrinho de bebidas no Boqueirão, em Santos, e estava há seis meses sem trabalhar na praia. “A minha situação durante a pandemia só não ficou pior porque os empregados que tenho conseguiram um emprego neste período. Fiquei mais tranquilo com isso”, disse.

Ele lembrou que das 130 cadeiras que normalmente pode colocar na praia, com as normas sanitárias, ele está pondo apenas 20. “Olha, apesar disso, as pessoas estão gastando mais e com vontade. Os valores em comparação com o ano passado estão iguais e também estão dando mais caixinhas. Parece que estão querendo recuperar o período em que ficaram isolados em casa”, afirmou.

Já Manoel Messias, o Maneco, que trabalha na Praia do Gonzaga, lamenta a atual situação e uma queda de 70% nas vendas. “Se eu faturava num dia como hoje uns R$ 2 mil, agora, não consigo nem R$ 300. É a pior situação que vivo desde quando comecei a trabalhar aqui há 42 anos”, declarou.

Maneco, que começou na profissão de ambulante carregando os produtos em uma sacola e atendendo às pessoas na areia da praia e “correndo da fiscalização”, destacou que os sete meses sem trabalho o levaram a mudar de Santos. “Só sobrevivi pois minha família ajudou e consegui manter um patrocinador que tenho no carrinho. Mas morava em Santos e não consegui pagar o aluguel e me mudei para uma comunidade na área continental de São Vicente”, afirmou.

Com o seu negócio, ele tem permissão de colocar na areia da praia dez das 40 cadeiras que possui. “Eu tinha cinco empregados, hoje tenho dois. Agora, vou tentar trabalhar para pagar a licença nos dias 31 de dezembro, 1 e 2 de janeiro. A de 2020 está atrasada e não paguei”, disse.

Barreiras em Santos

Para tentar coibir a entrada de ônibus e lotações em Santos, a cidade implantou barreiras sanitárias para o período pré e pós-Natal. Neste domingo, o serviço foi suspenso e será retomado no dia 31. Desde 24 de dezembro, oito veículos foram orientados a retornar na barreira implantada no bairro do Saboó (entrada do município) e outros dois, no José Menino (Emissário Submarino). Ainda hoje, três veículos foram abordados no Saboó, dos quais dois comprovaram motivos de trabalho. Um deles, com turistas, foi orientado a retornar para seu local de origem. Já no José Menino, dois veículos entraram após comprovação de motivo de saúde.

O objetivo da ação é impedir a passagem de ônibus, micro-ônibus e vans de turismo não autorizados, de forma a evitar aglomerações nas praias da cidade e a disseminação da covid-19. Desde o final de novembro, a Secretaria Municipal de Turismo não concede novas autorizações para veículos com turistas de um dia.

As barreiras serão retomadas no próximo dia 31 e atuarão no fim de semana de 2 e 3 de janeiro. Desde 28 de novembro, quando voltaram a ser realizadas aos finais de semana em Santos, 113 veículos foram abordados pela GCM, em parceria com a Polícia Militar e Companhia de Engenharia de Tráfego. Trinta e sete voltaram para suas cidades.

Em Guarujá, a prefeitura implantou três barreiras sanitárias nas principais entradas do município nos dias 24 e 25, com aferição de temperatura de todos os ocupantes dos veículos. No período, passaram pelos bloqueios 7.638 veículos e foram registrados dois retornos. As barreiras sanitárias serão realizadas também nos dias 31 e 1 de janeiro.

A administração municipal manteve seis barreiras funcionando 24 horas, destinadas ao controle de acessos de ônibus, vans e similares com fins turísticos, que estão proibidos de entrar no perímetro urbano, conforme decreto municipal do dia 3 de dezembro. Já foram feitas 608 abordagens, 58 veículos tiveram que retornar à cidade de origem e foram aplicadas 11 multas, no período de 3 dezembro até 12h deste domingo.

Já nas praias, as equipes de fiscalização do município realizaram de sexta a este domingo, até as 12h, mais de 2.240 orientações, além da entrega de 2.700 panfletos relativos à covid-19 e ordenamento das praias. Foram realizadas 932 orientações relativas ao decreto municipal quanto à montagem de cadeiras, mesas e guarda-sóis na orla, além de 615 fiscalizações a respeito de som abusivo, 214 relacionadas à retirada de animais e 128 vistorias relacionadas aos alvarás de carrinhos e ambulantes, entre outras.

Os fiscais aplicaram 15 multas, sendo duas com apreensão de caixas de som e as outras relativas às normas para conter a covid-19 (uso de máscaras, reserva de espaço, marcação de distanciamento).

São Vicente

A prefeitura de São Vicente informou que equipes trabalham diuturnamente, todos os dias da semana, na fiscalização do comércio e das praias a fim de garantir o cumprimento das medidas de prevenção contra a covid-19, entre as quais está o impedimento de aglomerações.

A Secretaria de Saúde (Sesau) também faz fiscalizações em parceria com o Estado desde outubro. Os vigilantes sanitários visitam os estabelecimentos comerciais, onde ocorre a verificação do cumprimento das normas estabelecidas pelos protocolos sanitários de combate ao novo coronavírus, e orientam a população e os comerciantes sobre o uso de máscara e álcool em gel, aferição de temperatura, aglomeração e distanciamento social.

A cidade terá barreiras de orientação sanitária entre 31 de dezembro e 2 de janeiro, com a participação de policiais militares e agentes da vigilância sanitária, da Saúde e da Guarda Civil Municipal (GCM). A ação contará com pelo menos 12 agentes. A iniciativa seguirá critérios estratégicos, em horários de maior pico em seis pontos: Centro de Convenções, Ponte Pênsil, Divisa/Praia, Divisa/Tambores, Imigrantes (acesso I) e Imigrantes (acesso II).

A prefeitura de São Vicente, por meio da Secretaria de Trânsito e Transportes (Setrans), disse que das 7 horas do dia 31 de dezembro de 2020 às 6 horas do dia 1º de janeiro de 2021 será desencadeada a operação de interdições e barreira seletiva.

A ação contará com interdição das vagas de estacionamento da 45º da Praça Tom Jobim e das praias do Itararé e Gonzaguinha. Também haverá barreira seletiva para acesso à Rua Constituição e Rua Coaraci Paranhos, no Itararé, com entrada pela Rua Cláudio Luís da Costa e saída pela Rua Leopoldo Mota e Silva e permanência da interdição do Bolsão do Itararé.

Descumprimento do protocolo sanitário

Por descumprirem o protocolo sanitário de prevenção à covid-19, um bar, no Gonzaga, em Santos, e um espaço de eventos, no centro de Santos foram intimados a esvaziar o espaço imediatamente e multados em R$ 10 mil cada na madrugada deste domingo. Os fiscais constataram aglomeração de pessoas, que não usavam máscara, obrigatória em Santos desde 1º de maio.

A ação, que faz parte das atividades rotineiras de fiscalização, foi realizada pelo Departamento de Fiscalização Empresarial e Atividades Viárias (Defemp), da Secretaria de Finanças, e pela Guarda Civil Municipal (GCM), com apoio da Polícia Militar. Outros locais também passaram por fiscalização. Outro bar, também no Gonzaga, foi intimado a encerrar as atividades por ter passado do horário permitido (meia-noite).

Fase amarela

As prefeituras de Caraguatatuba, São Sebastião, Ilhabela e Ubatuba, no litoral norte, mantêm suas cidades na fase amarela, permitindo o funcionamento de serviços não essenciais, indo contra as determinações do governo estadual. Segundo o Plano São Paulo de contenção da covid-19, todas as cidades do Estado deveriam estar na fase vermelha nos dias 25, 26 e 27 de dezembro e 1º, 2 e 3 de janeiro.

A prefeitura de São Sebastião foi a única que realizou barreiras sanitárias nas divisas com as cidades de Caraguatatuba e Bertioga. Segundo o prefeito Felipe Augusto (PSDB), ocupantes de cerca de mil veículos foram abordados entre sábado e domingo com medição de temperatura e questionários sociais para identificar os visitantes. A ação contou com a participação de profissionais de saúde, fiscalização, trânsito, GCM (Guarda Civil Municipal) e Polícia Rodoviária.

Movimento nas estradas e ocupação de hotéis

As rodovias, assim como as praias, também apresentaram tráfego mais intenso neste domingo. Nas duas principais estradas que dão acesso à região, Tamoios (São José dos Campos/Caraguatatuba) e Oswaldo Cruz (Taubaté/Ubatuba), o tráfego ficou acima do normal, em ambos os sentidos. Não houve registro de acidentes.

Na rodovia Rio-Santos, que interliga as cidades da região, o movimento era mais intenso com congestionamentos nos trechos entre as praias Grande e Maranduba, em Ubatuba, Massaguaçu, em Caraguatatuba, onde o DER (Departamento de Estrada de Rodagem) realiza obras para proteger a pista contra ação do avanço do mar, no Km 59,9 e no trecho entre as praias da costa sul de São Sebastião.

Na rede hoteleira da região, a ocupação registrada ficou na faixa de 65% neste feriado prolongado de Natal. A expectativa é de que mesmo sem a tradicional queima de fogos e os shows da virada do ano, cancelados pelas prefeituras devido ao coronavírus, o índice de ocupação deva ser maior no feriado do ano-novo.

Glauco Braga e Salim Burihan, especiais para o Estadão
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.