'O Mundo Sombrio de Sabrina' traz elenco da série original

De Redação Estadão | 12 de janeiro de 2021 | 12:32

Apesar do humor estranho, O Mundo Sombrio de Sabrina não se iguala ao antigo seriado Sabrina, Aprendiz de Feiticeira. Enquanto o antigo sitcom, transmitido entre 1996 e 2000, tinha uma trama mais leve, condizente com os desafios de uma jovem feiticeira, a nova produção da Netflix surpreendeu em sua estreia em 2018, sem esconder seu lado, digamos, mais demoníaco, e fortemente inspirado nos quadrinhos de terror sobrenatural de Roberto Aguirre-Sacasa.

Lançada ainda em 2020, a quarta e última temporada da série protagonizada por Kiernan Shipka se despede com desafios que ultrapassam a batalha do bem e do mal. Como uma grande contagem regressiva, cada um dos oito episódios guarda um tipo de mal que ameaça a vida dos moradores, bruxos e mortais, de Greendale.

Na temporada anterior, Sabrina correu todos os riscos e tomou, mais uma vez, decisões erradas. Dessa vez, a luta não é apenas contra seu pai infernal, Lúcifer, ou os conflitos entre sua escola mortal e a academia de bruxaria. Tampouco os relacionamentos. O mal que move esta última temporada vem do espaço e busca sugar a tudo e todos, sem piedade.

Mas a novidades precisam ser celebradas. Perto do fim, a quarta temporada guardou uma surpresa para os fãs da franquia. Ao ser banida para um lugar estranho, Sabrina acorda em um set de filmagem de sua própria história. Cercada dos mesmos personagens, ela descobre que todos os dias precisa gravar cenas repetitivas e interagir com o elenco. Diante desse pesadelo, a primeira reação é fugir, mas todas as portas que indicam a saída estão bloqueadas.

Mas antes de embarcar, suas tias Zelda (Miranda Otto) e Hilda (Lucy Davis) avisaram que esse novo mundo seria, quase, parecido. E o quase é o segredo.

A produção convidou para uma participação especial as atrizes Beth Broderick e Caroline Rhea, conhecidas por interpretar a dupla de tias de Sabrina, Zelda e Hilda. O tom teatral do episódio se junta ao divertido jogo da dupla como uma grande homenagem ao trabalho das atrizes no sitcom que ficou no ar por sete temporadas.

A série também traz alguns episódios musicais, com a banda Clube do Terror, também uma referência à famosa série dos anos 1990. Ao longo desta temporada, Harvey Kinkle, Roz Walker e Theo Putnam se apresentam com versões de Total Eclipse of The Heart, de Bonnie Tyler e da clássica Sweet Child O’ Mine, do Guns N’ Roses, essa cantada por Sabrina.

Redação
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.