OMS aprova uso da vacina de Oxford e AstraZeneca

De Redação Estadão | 15 de fevereiro de 2021 | 20:56

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou ontem o uso emergencial da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. O anúncio foi feito poucos dias depois que seus assessores concluíram que o imunizante era recomendável para idosos.

A vacina é a principal aposta do governo federal para a imunização da população brasileira. Por meio da Covax Facility, aliança da OMS para a distribuição igualitária de vacinas contra a covid-19 entre os países, o Brasil deve receber 1,6 milhão de doses no primeiro trimestre deste ano e 4,4 milhões a 6 milhões no segundo trimestre.

Até o fim de 2021, o acordo do Brasil com a Covax Facility estima que sejam enviadas 42,5 milhões de doses ao País, o que daria para imunizar 21,25 milhões de brasileiros. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) tem parceria com a farmacêutica e com a universidade para desenvolvimento do imunizante no Brasil.

No total, a Covax Facility prevê distribuir no primeiro semestre para todos os países que assinaram o acordo 337,2 milhões de doses, sendo 336 milhões da AstraZeneca/Oxford e 1,2 milhão da Pfizer-BioNTech. O aval para uso emergencial é importante principalmente para países menos desenvolvidos, que não contam com agência regulatória desenvolvida para apoiar a decisão de uso ou não da vacina para sua população.

A organização sinalizou ontem que a aprovação se aplicará para as duas versões da vacina da AstraZeneca fabricadas hoje em colaboração com dois sócios da farmacêutica sueco-britânica: o Instituto Serum, da Índia, e a empresa sul-coreana SKBio.

Esta é a segunda vacina que obtém aprovação da OMS. A primeira foi para o imunizante da Pfizer em parceria com a BioNTech, concedida em dezembro. Para a OMS, o aval é especialmente importante, pois planeja distribuir em semanas mais de 300 milhões de doses da vacina da AstraZeneca a vários países.

Brasil

Na sexta-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a importação de mais doses prontas da Covishield, nome dado à vacina de Oxford produzida pelo Instituto Serum da Índia. O pedido foi feito pela Fiocruz, responsável pelo imunizante no País, que negocia com a farmacêutica AstraZeneca a compra de 2 milhões de doses da vacina.

De acordo com a Anvisa, a autorização é temporária e de uso emergencial, a mesma concedida a 2 milhões de doses que já estão sendo aplicadas no Brasil. “Esta aprovação se deu nas mesmas condições já realizadas pela agência em 17 de janeiro, ou seja, para autorização temporária de uso emergencial, já que se trata da mesma vacina, fabricada sob as mesmas condições já avaliadas naquela oportunidade”, disse a Anvisa, em nota. A agência não detalhou a quantidade de doses importadas.

Na semana anterior, a Fiocruz recebeu um lote com 88 litros de IFA (insumos para produção da vacina) vindos da China. A quantidade é suficiente para produzir 2,8 milhões de doses. As primeiras vacinas fabricadas com esse material devem ser entregues ao Ministério da Saúde entre 12 e 15 de março.

Outros dois lotes de IFA devem chegar da China ainda em fevereiro, em data ainda não definida. Ao todo, a Fiocruz espera receber em fevereiro IFA suficiente para produzir 15 milhões de doses do imunizante.

A Anvisa informou que está em processo de análise do pedido para registro definitivo da vacina de Oxford, feito pela Fiocruz em 29 de janeiro. Segundo a agência, será dada “total prioridade na análise para fins de concluir o processo no menor tempo possível”. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Redação, O Estado de S.Paulo
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.