Paraná passa a contar com hospital exclusivo para tratamento do coronavírus

De Daniela Borsuk | 30 de março de 2020 | 12:08
(Foto: AEN)

O Paraná passou a contar com um hospital completamente voltado para o tratamento do coronavírus. Por determinação da Secretaria de Estado da Saúde, o Centro Hospitalar de Reabilitação do Paraná, em Curitiba, funcionará a partir desta segunda-feira (30) exclusivamente para o combate à Covid-19.

O espaço foi esvaziado no fim de semana, com a alta dos últimos pacientes internados para algum tipo de reabilitação. O local conta atualmente com dez leitos de UTI. Outros 28 quartos de enfermaria estão sendo transformados em áreas de terapia intensiva, com previsão de funcionamento total até a próxima segunda-feira (6).

Além disso, possui 40 leitos para isolamento, todos equipados com aparelhos respiratórios. Já há um paciente internado por causa do coronavírus.

“É uma medida que reforça a preocupação do Governo do Estado em oferecer o melhor tratamento possível para as pessoas. A exclusividade nos permite concentrar esforços e treinar pessoas com dedicação integral no enfrentamento ao Covid-19”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Excelência

O Centro de Reabilitação integra o Complexo Hospitalar do Trabalhador, união de quatro unidades de saúde, para funcionar como um centro de excelência para atender urgência e emergência de trauma e reabilitação.

Vantagens

O diretor-geral do Complexo Hospital do Trabalhador, Geci Labres Souza Júnior, destacou outras vantagens de ter um espaço completamente voltado para o tratamento do coronavírus. “Concentramos equipamentos e material de proteção individual (EPI’s). Além disso, os profissionais da saúde podem se especializar nos cuidados à patologia”, avaliou.

Ele lembrou, ainda, que o Hospital do Trabalhador, em Curitiba, também dedica uma ala ao tratamento do Covid-19. Segundo Geci Labres, são 22 leitos de UTI e outros 17 de isolamento no espaço.

Alerta

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, faz um alerta à população. Ele reforçou que a pessoa que estiver com algum sintoma mais grave da doença, como falta de ar por exemplo, não deve procurar imediatamente o Centro Hospitalar de Reabilitação.

O caminho, ressaltou o secretário, é acionar uma unidade básica de saúde ou de pronto atendimento. São esses locais que farão o encaminhamento se houver necessidade. “Até por uma questão de segurança, para evitar contaminação e a circulação do vírus, devemos respeitar todos os procedimentos”, afirmou.

O secretário enfatiza as medidas de prevenção da doença: lavar as mãos várias vezes com água e sabão ou utilizar álcool gel, lavar os pulsos, entre os dedos e embaixo das unhas; limpar os objetos mais manuseados com álcool, manter os ambientes sempre ventilados e arejados, ao tossir ou espirrar, cobrir a boca e o nariz com o braço ou com um lenço descartável.

Além disso, segundo ele, o isolamento social é essencial para evitar a disseminação do vírus. “A Secretaria da Saúde, alinhada com o Governo do Estado, reforça que o isolamento social é importante para evitarmos a contaminação de mais pessoas”, disse.

Complexo

O Complexo Hospitalar do Trabalhador reúne quatro unidades de saúde. O Hospital do Trabalhador, que já tem padrão de excelência e é referência para todo o Paraná, incorporou o Centro Hospitalar de Reabilitação (CHR), o Centro de Atendimento Integral ao Fissurado Lábio Palatal (Caif) e o Centro Regional de Especialidades Kennedy (CRE), que está sendo transformado em Ambulatório Médico de Especialidades (AME), num investimento de R$ 8 milhões. No total, o Complexo do Trabalhador terá 382 leitos e 80 leitos de UTI.

Colaboração AEN

Deixe um comentário