Peterhansel é campeão do Rally Dakar pela 14ª vez; argentino ganha nas motos

De Redação Estadão | 15 de janeiro de 2021 | 09:22

O Rally Dakar, em sua segunda edição da história na Arábia Saudita, terminou nesta sexta-feira e coroou uma lenda. O francês Stéphane Peterhansel aumentou para 14 o número de títulos na competição. Ao lado do navegador Edouard Boulanger, o piloto da Mini assegurou a vitória com 13min51s de vantagem para o príncipe catariano Nasser Al-Attiyah. O espanhol Carlos Sainz, vencedor em 2020, ficou com o terceiro posto.

Neste último dia de disputa, os competidores encararam uma especial de 200 km entre as cidades de Yanbu e Jeddah – a 12.ª etapa teve um trecho total de 447 km. Mas, apesar do trecho cronometrado reduzido, uma cadeia de dunas se encarregou de acrescentar dificuldade à prova.

Sainz superou esses desafios e seguiu firme para completar em primeiro lugar a especial com o tempo de 2h17min33s, 2min13s à frente de Al-Attiyah. Peterhansel assegurou o terceiro posto para alcançar o 14.º título, 30 anos após a primeira vitória na maior e mais dura prova off-road do planeta.

A dupla brasileira formada por Guilherme Spinelli e Youssef Haddad fechou a última especial com o 27.º posto e assegurou a 17.ª colocação na classificação geral.

Nas motos, deu Argentina. Kevin Benavides garantiu a vitória da Honda pelo segundo ano consecutivo. Derrotado pelo americano Ricky Brabec na última especial da competição, o argentino aproveitou a vantagem construída nos últimos dias para assegurar o título com 4min56s de vantagem para o companheiro de equipe.

Com 50 km para o fim do trecho cronometrado, Benavides abriu 30 segundos de vantagem para Brabec, mas o americano aproveitou o trecho final para ganhar terreno e vencer a especial com o tempo de 2h17min02s, 2min17s à frente do argentino. O austríaco Matthias Walkner assegurou o terceiro lugar.

Com o resultado desta última etapa, Benavides acumulou 47h18min14s de prova na Arábia Saudita e venceu com 4min56s de vantagem para Brabec, formando a primeira dobradinha da Honda no Rally Dakar desde que o francês Cyril Neveu e o italiano Edi Orioli fizeram o mesmo na prova de 1987.

O britânico Sam Sunderland garantiu o terceiro posto no rali, à frente do estreante australiano Daniel Sanders, que ficou apenas 38min52s atrás de Benavides.

Nos UTVs, o Brasil terminou entre os 10 primeiros colocados. Nesta sexta-feira, Gustavo Gugelmin, que faz parceria com o americano Austin Jones, cruzaram a linha de chegada em nono lugar e ficaram com a segunda colocação na classificação geral. Já Reinaldo Varela e Maykel Justo terminaram a etapa na segunda posição e terminaram o rali no quinto posto.

Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.