Planos preveem só obras pontuais contra enchentes

De Redação Estadão | 14 de novembro de 2020 | 07:13

Com medidas pontuais, as propostas dos candidatos à Prefeitura de São Paulo para conter as enchentes esbarram na falta de um plano contínuo, que sobreviva à troca de gestão. Especialistas apontam que o aumento na frequência de chuvas intensas devem transformar as inundações em um dos principais desafios ao próximo prefeito, o que é agravado por décadas de investimento em soluções imediatistas como piscinões e grandes obras de drenagem.

Os programas de governo dos candidatos falam em recuperação ambiental de áreas estratégicas, criação de novos sistemas de monitoramento das enchentes, operações para limpar bueiros e desassorear rios, trocar pavimentos, aumentar o número de parques lineares e investir em obras de infraestrutura. Há poucos detalhes sobre como as obras serão feitas, as prioridades entre as ações e como as medidas podem ser complementares na solução do problema.

O plano do prefeito Bruno Covas (PSDB), que tenta a reeleição, por exemplo, fala em “investir pesado em saneamento básico, remoção de áreas de risco, drenagem, prevenção de enchentes e alagamentos”, além de destacar nove piscinões entregues pela gestão atual.

Celso Russomanno (Republicanos) prevê “dar continuidade ao programa de recuperação ambiental dos cursos dágua” e também implantar “a tecnologia de fitorremediação e uso de meios naturais para a recuperação das microbacias do município”.

Guilherme Boulos (PSOL), que traz ao menos cinco medidas para o tema, promete um “Sistema Municipal de Prevenção e Mitigação de Desastres”, ampliação das áreas verdes, um Plano Municipal de Drenagem para aumentar o uso de materiais permeáveis no solo e a ampliação da “Operação Cata-Bagulho” para retirar objetos de canais e córregos da cidade.

Já Márcio França (PSB) quer intensificar a limpeza de bueiros e desassorear córregos para melhorar o fluxo de água na rede de drenagem, e menciona também campanhas de conscientização contra o descarte irregular do lixo. Ele cita ainda um recapeamento estratégico de vias para melhorar a absorção de água, e um plano de mapeamento das áreas de risco.

Áreas verdes

O consenso entre urbanistas é que, para diminuir os alagamentos, é necessário aumentar o número de áreas verdes e adotar materiais permeáveis em calçadas e ruas. Isso porque as redes de drenagem feitas ao longo de décadas hoje agravam a inundação: elas jogam a água da chuva com grande velocidade nos canais e sobrecarregam os rios. A criação de parques, áreas verdes e calçamento permeável serve para “amortecer” o impacto das chuvas, que fica retida no solo por mais tempo.

Em vez de abolir as obras de infraestrutura caras e de difícil manutenção, especialistas sugerem soluções de menor porte e a combinação de várias medidas pela Prefeitura pois, isoladas, cada uma das propostas deve ter eficácia limitada. “São um conjunto de soluções que são articuladas, não existe uma melhor ou pior: são soluções conjuntas”, diz a professora Renata Bovo Peres, do Departamento de Ciências Ambientais da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

“Na maioria das cidades que vemos mecanismos mais inovadores sendo construídos, não são quatro anos de projetos e sim dez, então temos de investir em projetos a médio e longo prazo”, diz Renata.

Ela lembra que os eventos climáticos extremos, como as enchentes que paralisaram São Paulo no início de fevereiro deste ano, têm ficado mais comuns. Um estudo de pesquisadores do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCTI), aponta que chuvas com grandes volume dágua ficaram mais frequentes ao longo dos últimos 70 anos. Além disso, as cidades paulistas concentraram cerca de 33% das inundações entre 2014 e 2018.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tulio Kruse
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário