Polícia Civil prende sete pessoas em operação contra abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, no Paraná

De Ricardo Alcantara | 18 de fevereiro de 2020 | 15:39
(Foto: Divulgação Polícia Civil do Paraná/SESP)
(Foto: Divulgação Polícia Civil do Paraná/SESP)

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) prendeu sete homens em flagrante durante a Operação Luz na Infância 6, nesta terça-feira (18), no Estado. A força-tarefa coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) teve a participação de polícias civis de 12 estados. Além do mais, agentes de aplicação da lei da Colômbia, Estados Unidos, Paraguai e Panamá cumpriram, simultaneamente, mandados de busca e apreensão.

As prisões realizadas no Paraná foram feitas nas cidades de Colombo (1), na Região Metropolitana de Curitiba, Londrina (1) e Centenário do Sul (2), ambas no Norte do Estado, Toledo (1) e Santa Terezinha de Itaipu (1) no Oeste, além de Francisco Beltrão (1), no sudoeste. Seis dos presos foram autuados em flagrante por armazenar conteúdo pornográfico relacionados aos crimes de exploração sexual praticados contra crianças e adolescentes. Um dos dois presos em Centenário do Sul foi autuado em flagrante por tráfico de drogas. 

A apreensão do material pornográfico e a prisão em flagrante dos suspeitos foi possível devido ao cumprimento de seis mandados de busca e apreensão. As buscas no Paraná aconteceram em Colombo, Centenário do Sul, Francisco Beltrão, Londrina e Santa Terezinha do Itaipu.  

Os suspeitos são investigados por crimes de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet. Eles foram identificados pela PCPR com base em elementos informativos coletados em ambientes virtuais com indícios suficientes de autoria e materialidade delitiva.

O delegado, José Barreto, do Departamento de Polícia Cível Núcleo de Combate ao Cibercime (Niciber), responsável pela operação no Paraná, revelou que agora, todo o material que foi apreendido será encaminhado para análise pericial. “Vamos apurar se, além do armazenamento, houve o compartilhamento deste material”, disse. Ele esclareceu ainda que armazenar é um crime tipificado pelo Estatuto da Criança e Adolescente (ECA) e compartilhar também.

As penas para os crimes investigados variam de 1 a 8 anos de prisão. Quem armazena material de pornografia infantil tem pena de 1 a 4 anos de prisão. Para quem compartilha, a pena é de 3 a 6 anos de prisão. A punição para quem produz esse tipo de material é de 4 a 8 anos de prisão.

Nesta 6ª fase foram cumpridos, no Brasil e em quatro países, ao todo 112 mandados de busca e apreensão de arquivos com conteúdo relacionado a pornografia infantil.

Histórico

A Operação Luz na Infância está na sua sexta fase. Os resultados das anteriores foram os seguintes:  

  • Luz na Infância 1 – 20 de outubro de 2017. Foram cumpridos 157 mandados de busca e apreensão de computadores e arquivos digitais. Foram presas 108 pessoas.
  • Luz na Infância 2 – 17 de maio de 2018. As Polícias Civis dos Estados cumpriram 579 mandados de busca, resultando na prisão de 251 pessoas.
  • Luz na Infância 3 – 22 de novembro de 2018. Operação deflagrada no Brasil e na Argentina com o cumprimento de 110 mandados de busca, resultando na prisão de 46 pessoas.
  • Luz na Infância 4 – 28 de março de 2019. Operação deflagrada em 26 estados e no Distrito Federal resultou no cumprimento de 266 mandados e 141 pessoas presas.
  • Luz na Infância 5 – 04 de setembro de 2019. Operação deflagrada em 14 estados e no Distrito Federal, além Estados Unidos, Equador, El Salvador, Panamá, Paraguai e Chile. A ação resultou no cumprimento de 105 mandados e 51 pessoas presas.

Colaboração PCPR

Deixe um comentário