Produtores de orgânicos usam tecnologia para atender os consumidores

De Gustavo Mejía | 6 de maio de 2020 | 10:03

Agricultores familiares paranaenses se organizam para comercializar seus produtos de forma diferente e atender o mercado neste período de restrição de mobilidade por causa da pandemia de Covid-19.  São exemplos, 231 produtores rurais assistidos pelo programa Paraná Mais Orgânico, desenvolvido pelo Governo do Estado. O programa envolve as sete universidades estaduais e o Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA). Eles dão orientação e atendimento aos produtores e encaminham a propriedade para a obtenção do selo de certificação, que é emitido pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar).

Agora, esses produtores contam com um aplicativo multiplataforma de mensagens instantâneas e chamadas de voz (WhatsApp), como alternativa de atendimento ao mercado de orgânicos. A ideia surgiu com a finalidade de facilitar a comercialização da produção de frutas, verduras e hortaliças no período de fechamento do comércio, em diferentes regiões do território paranaense.

O atendimento é realizado por técnicos que atuam nos núcleos de Certificação Orgânica das universidades estaduais nas cidades de Bandeirantes, Guarapuava, Londrina, Marechal Cândido Rondon, Maringá, Paranaguá, Pinhais e Ponta Grossa.

“Esses profissionais identificam os agricultores mais próximos das localizações sinalizadas pelos consumidores, indicando os pontos para a entrega dos produtos ou mesmo a entrega em domicílio”, esclarece Luiz César Kawano, coordenador da Unidade Gestora do Fundo Paraná na Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

MANTER A RENDA – Na avaliação da zootecnista Elisa Koefender, que atua no Núcleo de Certificação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), em Marechal Cândido Rondon, a iniciativa contribuiu para a manutenção da renda dos agricultores, principalmente no início da pandemia de Covid-19, quando as feiras foram suspensas temporariamente. “Recebemos demandas de pessoas de São Paulo, buscando indicação de agricultores paranaenses para a comercialização de produtos orgânicos no Estado vizinho”, afirma.

ENTREGAS – O produtor Fábio Marcel, beneficiário do Paraná Mais Orgânico e responsável pela propriedade rural Colinas de Sião Frutos da Agrofloresta, no município de Ibaiti, no norte pioneiro, explica que alguns de seus produtos, como café, mel e óleo de girassol, são enviados para um ponto de entrega em Curitiba, enquanto outros alimentos in natura podem ser entregues diretamente ao consumidor de cidades da região.

“As entregas seguem as recomendações das autoridades sanitárias, como o uso de máscaras pelos profissionais e a higienização de embalagens com álcool gel”, enfatiza.

O engenheiro agrônomo Eduardo Javier Marone, que atua no Núcleo de Certificação Orgânica do Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA), em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, destaca que a capital conta com vários pontos de entrega disponíveis. “Esses locais funcionam como grupos de cestas, onde os consumidores podem entrar em contato e solicitar a entrega das mercadorias, mediante o pagamento antecipado”, salienta.

CONSUMIDORES – Alice Karine Vriesman, engenheira agrônoma do Núcleo de Certificação Orgânica da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), comenta sobre a importância de organização dos consumidores para efetuar compras coletivas.

“Nem sempre é viável para os agricultores fazer entrega direta na residência de um único consumidor, mas se houver um grupo de moradores de um condomínio, por exemplo, fica muito mais fácil”, recomenda a engenheira, destacando que muitos desses produtores são organizados em associações e cooperativas rurais.

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL – Atuando na atividade de horticultura, no Assentamento Guanabara, no município de Imbaú, nos Campos Gerais, a agricultora Sirlene Morais, da propriedade rural Grupo Resistência Camponesa, reconhece o papel do Paraná Mais Orgânico no processo de conscientização das pessoas para uma produção agrícola com responsabilidade ambiental. “É importante incentivar uma mentalidade agroecológica, pensando além da produção do alimento, desde como produzir até a forma de organização social de agricultores e consumidores”, adverte.

MAPEAMENTO – Em apoio aos agricultores, comerciantes e consumidores de produtos orgânicos certificados, o programa Paraná Mais Orgânico disponibilizou um mapa geográfico onde é possível localizar grupos de consumo responsável e cestas solidárias no Estado. O intuito é fortalecer o desenvolvimento agrário regional sustentável e o escoamento de produtos orgânicos de forma direta ao consumidor, estabelecendo uma relação de proximidade entre quem produz e quem consome, além de estimular o comércio justo.

Deixe um comentário