Programa Todos pela Saúde, do Itaú Unibanco, será mantido após a pandemia

De Redação Estadão | 13 de maio de 2020 | 11:32

O Todos pela Saúde, projeto do Itaú Unibanco para apoiar o combate ao novo coronavírus no Brasil, será mantido após a pandemia, de acordo com o diretor-geral do Hospital Sírio-Libanês, Paulo Chapchap, que lidera a iniciativa. “Não tem previsão de término. O projeto é mais agudo e intenso nesse momento, mas vai permanecer após a pandemia”, disse ele, em coletiva de imprensa para divulgação do balanço de um mês da ação.

Dentre os focos da iniciativa, passada a pandemia, conforme Chapchap, está o apoio na melhora da governança do Sistema Único de Saúde (SUS), que precisa ser melhorada. Além disso, o Todos pela Saúde também quer contribuir na informatização dos sistemas usados na área de saúde e seguirá acompanhando as duas centrais que estão sendo montadas, uma no Rio de Janeiro e outra em Fortaleza, para testar profissionais de saúde e a população por conta da covid-19.

“Temos responsabilidade com isso – centrais – embora estejam muito bem colocados nas mãos da Fiocruz. Temos um compromisso de acompanhamento para que não haja deterioração e um sucateamento dessas estruturas”, disse Chapchap.

O médico e ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Gonzalo Vecina Neto disse que o foco do Todos pela Saúde é cobrir deficiências da ação do Estado na pandemia, que gerou uma crise “muito pesada” e não substituí-lo. O SUS, conforme ele, custa R$ 250 bilhões por ano enquanto o projeto tem R$ 1 bilhão em recursos. “Temos certeza que não vamos substituir a ação de Estado, que é fundamental. Estamos realçando a ação do Estado, não substituindo”, ressaltou Gonzalo.

O ex-diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde Maurício Ceschin chamou atenção ainda para a necessidade de outras iniciativas de apoio à saúde neste momento de crise por conta da pandemia, cobrando maior participação de empresas e da sociedade. “A sociedade vai sair junto disso. É uma obrigação do Estado, mas da própria sociedade se envolver e buscar soluções para minimizar o sofrimento”, acrescentou.

O Todos pela Saúde já destinou R$ 790 milhões de um orçamento total de R$ 1 bilhão doado pelo Itaú para medidas para combater a pandemia do novo coronavírus no Brasil em seu primeiro mês. Além dos recursos cedidos pelo banco, a iniciativa arrecadou outros R$ 18 milhões junto a empresas e indivíduos em todo o Brasil.

Aline Bronzati
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário