Seleção brasileira joga mal, mas vence a Venezuela e segue 100%

De Redação Estadão | 13 de novembro de 2020 | 23:42

A seleção brasileira manteve os 100% de aproveitamento nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022. Na noite desta sexta-feira, o time de Tite venceu a Venezuela por 1 a 0 e chegou aos nove pontos. Em jogo fraco no Morumbi, o Brasil sofreu para furar a retranca adversária e marcou no segundo tempo com Roberto Firmino. A equipe volta a jogar na terça, contra o Uruguai, em Montevidéu.

Sem suas duas principais estrelas, Neymar e Philippe Coutinho, lesionados, a seleção brasileira teve muitas dificuldades para criar. É verdade que Richarlison teve gol anulado logo aos seis minutos de jogo, em lance polêmico, em impedimento marcado de Renan Lodi no início do lance. Mas a equipe de Tite pouco fez na primeira etapa.

A Venezuela se fechou com uma linha de cinco defensores, outra de quatro jogadores e só Rondón mais à frente. O Brasil adotou esquema parecido com o que tinha mostrado na estreia das Eliminatórias, contra a Bolívia, quando Lodi atuou praticamente como um ponta. E foi pela esquerda que a seleção conseguiu suas poucas boas jogadas.

O gol anulado surgiu de lançamento de Marquinhos para Lodi, que cruzou. Fariñez espalmou para o meio da área e Richarlison marcou. O lance passou pela revisão do árbitro de vídeo e foi marcado o impedimento, mas a imagem mostrada não é conclusiva.

Ainda no primeiro tempo, Richarlison perdeu chance inacreditável. Em novo cruzamento de Lodi, Gabriel Jesus cabeceou na segunda trave e Richarlison, sem goleiro e dentro da pequena área, completou para fora.

A Venezuela deixava claro que foi ao Morumbi para segurar o empate e nem se esforçava para tentar atacar. A única chance da equipe no primeiro tempo ocorreu em contragolpe rápido. Soteldo fez sua jogada que o torcedor do Santos acostumou-se a ver: driblou pelo lado esquerdo e cruzou, mas Marquinhos afastou para escanteio.

No segundo tempo, Tite deixou a seleção mais ofensiva ao voltar do intervalo com Lucas Paquetá no lugar de Douglas Luiz. Além disso, o treinador mexeu no posicionamento do ataque, deslocando Richarlison para o lado direito e passando Gabriel Jesus para a função de centroavante.

As mudanças, entretanto, pouco surtiram efeito no início do segundo tempo. O Brasil seguia com muitas dificuldades para furar a retranca venezuelana. Quanto Tite chamou Everton Cebolinha e Pedro, o Brasil abriu o placar, aos 21 minutos. Paquetá enfiou linda bola para Everton Ribeiro, que cruzou de pé direito. Lodi disputou pelo alto, e a bola sobrou para Firmino completar para o fundo da rede.

O gol fez Tite mudar de ideia por algum tempo, e Cebolinha e Pedro acabaram colocando novamente o colete dos reservas. Eles entraram dez minutos depois do gol na vaga de Jesus e Richarlison. Destaque do Flamengo, Pedro fez sua estreia pela seleção brasileira.

Mesmo atrás do placar, a Venezuela pouco se arriscava. Só nos acréscimos teve chance em cobrança de falta de Otero, do Corinthians. O Brasil também continuou com dificuldades para furar a retranca adversária.

Após fazer cinco gols na Bolívia e quatro no Peru, a seleção brasileira não repetiu a boa atuação, mas conseguiu a vitória magra no Morumbi e lidera as Eliminatórias. Já a Venezuela sofreu sua terceira derrota.

FICHA TÉCNICA:

BRASIL 1 x 0 VENEZUELA

BRASIL – Ederson; Danilo, Marquinhos, Thiago Silva e Renan Lodi (Alex Telles); Allan, Douglas Luiz (Paquetá) e Everton Ribeiro; Gabriel Jesus (Everton Cebolinha), Roberto Firmino e Richarlison (Pedro). Técnico: Tite.

VENEZUELA – Fariñez; Feltscher (Del Pino Mago), Ángel, Osorio e Rosales (González); Rincón, Moreno, Cásseres, Machis (Savarino) e Soteldo (Otero); Rondón. Técnico: José Peseiro.

GOL – Roberto Firmino, aos 21 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Cásseres, Douglas Luiz, Machís, Rincón.

ÁRBITRO – Juan Benítez (PAR).

RENDA E PÚBLICO – Jogo sem torcida.

LOCAL – Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).

Guilherme Amaro
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário