Trump tenta minar certificação da eleição para bloquear Joe Biden

De Redação Estadão | 19 de novembro de 2020 | 13:16

Sem chegar a lugar nenhum nos tribunais, o esforço de campanha do presidente Donald Trump para derrubar a vitória do presidente eleito Joe Biden está mudando em direção a placas eleitorais obscuras que certificam o voto enquanto o presidente e seus aliados buscam derrubar o processo eleitoral, semear o caos e perpetuar dúvidas infundadas sobre a contagem. A batalha é centrada nos Estados-chave que selaram a vitória de Biden.

Em Michigan, dois funcionários eleitorais republicanos no maior condado do Estado inicialmente se recusaram a certificar os resultados, apesar de não haver evidências de fraude, depois retrocederam e votaram por certificar. Na quarta-feira 18, mudaram o posicionamento novamente dizendo que “continuam contra a certificação.”

Alguns republicanos pediram aos cabos eleitorais estaduais do Partido Republicano que façam o mesmo. No Arizona, as autoridades estão se recusando a aprovar as contagens de votos em um condado rural.

Os movimentos não refletem um esforço coordenado entre os Estados do campo de batalha que viraram o voto para Biden, disseram autoridades eleitorais locais.

Em vez disso, eles parecem ser inspirados pela retórica incendiária de Trump sobre fraudes infundadas e impulsionados pela aquiescência republicana ao sistema eleitoral do país, à medida que os tribunais estaduais e federais afastam as contestações judiciais apresentadas por Trump e seus aliados.

Ainda assim, o que aconteceu no condado de Wayne, em Michigan, na terça e na quarta-feira, foi um lembrete chocante das perturbações que ainda podem ser causadas enquanto a nação trabalha no processo de afirmação do resultado da eleição de 3 de novembro.

Não há precedentes para o amplo esforço da equipe de Trump em atrasar ou minar a certificação, de acordo com o professor de direito da Universidade de Kentucky, Joshua Douglas. “Seria o fim da democracia como a conhecemos”, disse Douglas. “Isso é algo que não pode acontecer.”

A certificação dos resultados é uma etapa rotineira, mas importante, depois que os funcionários eleitorais locais contam os votos, revisam os procedimentos, verificam para garantir que os votos foram contados corretamente e investigam as discrepâncias. Normalmente, essa certificação é feita por uma junta eleitoral local e, posteriormente, os resultados são certificados em nível estadual.

Mas como Trump se recusou a ceder o poder a Biden e continua a espalhar falsas alegações de vitória, este processo mundano está assumindo um novo significado.

Entre os principais Estados-chave, condados de Michigan, Nevada e Wisconsin passaram pela etapa inicial de certificação dos resultados. Exceto no condado de Wayne, esse processo foi em grande parte tranquilo. Arizona, Pensilvânia e Geórgia ainda não concluíram suas certificações locais. Então, todos os olhos se voltam para a certificação estadual.

No condado de Wayne, os dois cabos eleitorais republicanos a princípio hesitaram em certificar o voto, ganhando elogios de Trump, mas mudaram de curso após ampla condenação. Uma pessoa familiarizada com o assunto disse que Trump alcançou os dois, Monica Palmer e William Hartmann, na noite de terça-feira após a votação revisada para expressar gratidão por seu apoio. Então, na quarta-feira, Palmer e Hartmann assinaram declarações dizendo que acreditam que o voto do condado “não deve ser certificado.”

O tempo está se esgotando para Trump. Em todo o país, recontagens e contestações judiciais devem ser concluídas e os resultados das eleições devem ser certificados até 8 de dezembro. Esse é o prazo constitucional antes da reunião do Colégio Eleitoral na semana seguinte.

Matt Morgan, o conselheiro geral da campanha de Trump, disse na semana passada que a campanha estava tentando interromper a certificação em Estados-chave até que pudesse controlar melhor as contagens de votos e se teria o direito a recontagens automáticas.

No momento, Trump está solicitando uma recontagem em Wisconsin em dois condados, e a Geórgia está fazendo uma auditoria manual depois que Biden liderou por uma pequena margem de 0,3 pontos percentuais, mas não há nenhuma lei de recontagem obrigatória no Estado. A lei oferece essa opção para um candidato finalista se a margem for inferior a 0,5 ponto porcentual.

Redação
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe um comentário