Vacina e China permitem alta do Ibovespa, mas Powell e ISM EUA ficam no radar

De Redação Estadão | 1 de dezembro de 2020 | 10:54

Esperança de que uma vacina contra a covid-19 chegue a alguns países desenvolvidos ainda este mês e números fortes na Ásia amparam alta dos mercados de ações internacionais no primeiro dia útil de dezembro e também na B3. O avanço do PMI industrial da China no mês passado ao maior nível desde novembro de 2010 é uma das fontes de valorização, que também reflete na Bolsa brasileira, especialmente nas ações de commodities metálicas. Vale ON subia 2,68%, às 10h39, enquanto CSN ON , 3,57%, e Usiminas PNA, 3,96%.

A expectativa agora é com o ISM da indústria dos EUA, que será informado às 11h45, e para o qual analistas esperam forte expansão, a despeito do avanço de casos do novo coronavírus no país. Além disso, o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Jerome Powell, fará testemunho no Senado, “onde deverá reiterar os riscos à retomada econômica e defender novas ações de suporte fiscal”, estima em nota o economista Silvio Campos Neto, sócio da Tendências Consultoria Integrada..

O outro vetor de alta na B3 hoje vem da expectativa de chegada de um imunizante contra o novo coronavírus este ano. A Pfizer e Biontech vão pedir uso emergencial de vacina em Austrália, Canadá e Japão. Antes, a americana Moderna fez o mesmo pedido.

O índice de gerentes de compras (PMI) do setor industrial da China subiu a 54,9 em novembro, após 53,6 em outubro, evidenciando que a manufatura da segunda maior economia do mundo continua se recuperando após o choque do novo coronavírus nos primeiros meses do ano. “É mais um sinal da recuperação econômica em curso no país, algo positivo para emergentes”, avalia Campos Neto.

Ele ressalta também que os índices da manufatura do Reino Unido e Zona do Euro também vieram acima do esperado, ainda que tenham apresentado recuo no caso deste último.

No entanto, a notícia de encarecimento na conta de luz a partir de hoje no Brasil pode pesar. A retomada do sistema de bandeiras tarifárias, com a tarifa vermelha no patamar dois, vai deixar a inflação de dezembro ainda mais pressionada.

Com a medida, o impacto estimado por economistas ouvidos pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) é de 0,46 a 0,48 ponto porcentual no IPCA deste mês. Com isso, o dado deve fechar dezembro entre 1,19% e 1,32%, encerrando 2020 acima do centro da meta de 4,00%. A retomada é mais um fator de preocupação para o BC, que define a Selic na semana que vem, e atualmente está em 2,00% ao ano. Contudo, pode servir de alívio nas avaliações, já que os agentes já estão mirando a inflação de 2021, ano para o qual alguns esperam algum alívio.

O assunto gera cautela, mas o índice de ações de elétricas na Bolsa brasileira subia 0,17%. O Ibovespa tinha alta de 1,81%, aos 110.866,98 pontos, na máxima.

No corporativo, destaque para Gerdau, que compra de 96,35% ações de emissão da Siderúrgica Latino-Americana (Silat) pela sua controlada, Gerdau Aços Longos. A empresa ainda anunciou compra de títulos no exterior. As ações PN subiam 3,50%.

Maria Regina Silva
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.