Vereadora é condenada por falsidade ideológica por nomear padrasto do marido como assessor

De Redação | 28 de maio de 2019 | 10:03

A vereadora Rosane Bonho, de Foz do Iguaçu, foi condenada a um ano e dois meses de reclusão por falsidade ideológica pela 1ª Vara Criminal da cidade. De acordo com o Ministério Público do Paraná (MPPR), a vereadora nomeou o padrasto do marido como assessor parlamentar na câmara.

O crime aconteceu em fevereiro de 2017 e a exoneração foi feita em julho do mesmo ano. No processo, Bonho justificou o ato alegando que confia no homem. Ainda, ela afirmou que não tinha consciência de que o fato do funcionário ser padrasto do seu marido configurasse algum parentesco.

Condenada a um ano e dois meses de reclusão, a vereadora também foi multada e deve prestar serviços comunitários. Após a decisão, Rosane Bonho afirmou que respeita a decisão da justiça, mas disse que irá recorrer da sentença.

O MPPR alegou que o caso está sendo investigado em sigilo e não repassou detalhes sobre a denúncia.

Colaboração Catve