Zidane admite não ser intocável, mas se diz 'forte' para ajustar o Real Madrid

De Redação Estadão | 4 de dezembro de 2020 | 13:41

Zinedine Zidane enfrenta o seu pior momento no comando do Real Madrid. Contestado por causa das derrotas na Liga dos Campeões da Europa e pela campanha abaixo do esperado no Campeonato Espanhol, o treinador francês voltou a reiterar o seu desejo do seguir no clube. Com tom mais baixo, explicou que não se acha “intocável” e garantiu, ainda, ter forças para superar o princípio de crise e reorganizar a equipe.

Após derrota para o Shakhtar Donetsk, na última terça-feira, na Ucrânia, pela Liga dos Campeões, o técnico garantiu que não pediria demissão e seguiria no cargo. Nesta sexta teve de diminuir o tom, já que não é quem decide o seu futuro no clube.

Jornais espanhóis chegaram a cogitar uma possível demissão. Disseram que o presidente Florentino Pérez até já mirava um substituto: o argentino Mauricio Pochettino. Zidane, a princípio, terá mais um voto de confiança, mas terá de reinventar o time.

No terceiro lugar do grupo, o Real Madrid corre riscos de queda na primeira fase da Liga dos Campeões. Terá de ganhar na última rodada do Borussia Mönchengladbach, da Alemanha, em casa. E, no Espanhol, também precisa mostrar forças para ir além do quarto lugar e diminuir a distância de sete pontos da líder Real Sociedad.

“Nunca pensei que sou intocável, como jogador, treinador ou pessoa. Cada um tem uma missão aqui e vou vivê-la até o último dia”, afirmou o treinador, antes de dirigir a equipe diante do Sevilla. Neste sábado, um resultado negativo longe de Madri pode finalizar a sua passagem como treinador no clube.

“Já passei por outros momentos complicados no passado, sempre têm as dificuldades. Agora estamos (em dificuldades), mas me sinto forte para tentar encontrar soluções. Meus jogadores vão ajudar, realizando uma boa partida diante de um grande rival”, esbanjou confiança.

Em outros momentos de crise, o técnico deu a volta por cima ganhando títulos. E se agarra nesse retrospecto para mostrar confiança em nova retomada. “Já tivemos momentos complicados, com críticas. Agora pode ser o mais forte, mas não penso nisso. Sou otimista e positivo e amanhã (sábado) temos uma grande oportunidade de demonstrar que somos uma equipe boa. Juntos, vamos nos reerguer”, observou.

Zidane aposta muito numa resposta positiva do elenco. “Sabemos a situação na qual nos encontramos, porém, é hora de mudar o chip. Confio muito em meus jogadores e temos de mostrar o que é o Real Madrid como equipe”, concluiu o francês, garantindo se sentir “respaldado” no clube merengue.

Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.